<body>

Deixa com o Beque !!

quinta-feira, abril 24, 2003



Maior de 18 anos...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:38 PM




O homem velho
Caetano Veloso

O homem velho deixa vida e morte para trás
Cabeça a prumo, segue rumo e nunca, nunca mais
O grande espelho que é o mundo ousaria refletir os seus sinais
O homem velho é o rei dos animais

A solidão agora é sólida, uma pedra ao sol
As linhas do destino nas mãos a mão apagou
Ele já tem a alma saturada de poesia, soul e rock'n'roll
As coisas migram e ele serve de farol.

A carne, a arte arde, a tarde cai
No abismo das esquinas
A brisa leve traz o olor fugaz
Do sexo das meninas

Luz fria, seus cabelos têm tristeza de néon
Belezas, dores e alegrias passam sem um som
Eu vejo o homem velho rindo numa curva do caminho de Hebron
E a seu olhar tudo o que é cor muda de tom

Os filhos, filmes, livros, ditos como um vendaval
Espalham-no além da ilusão do seu ser pessoal
Mas ele dói e brilha único, indivíduo, maravilha sem igual
Já tem coragem de saber que é imortal

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:33 PM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:20 PM


"Em muitos estados americanos os patrulheiros rodoviários carregam dois galões de coca-cola no porta-malas para serem usado na remoção de sangue na pista depois de um acidente. Se você puser um osso em uma tigela com coca-cola, ele se dissolverá em dois dias. Para limpar privadas: despeje uma lata de coca-cola dentro do vaso e deixe a "coisa" decantar por uma hora e então dê descarga. O ácido cítrico da coca-cola remove manchas na louça do vaso.

Para remover pontos de ferrugem dos pára- choques cromados de automóveis: esfregue o pára- choque com um chumaço de papel de alumínio (usado para embrulhar alimentos) molhado com coca-cola. Para limpar corrosão dos terminais de baterias de automóveis: despeje uma lata de coca-cola sobre os terminais e deixe efervescer sobre a corrosão. Para soltar um parafuso emperrado por corrosão: aplique um pano encharcado com coca-cola sobre o parafuso enferrujado por vários minutos. Para remover manchas de graxa das roupas: despeje uma lata de coca-cola dentro do tanque com as roupas com graxa, adicione detergente e bata em ritmo regular. A coca-cola ajudará a remover as manchas de graxa. A coca-cola também ajuda a limpar o embaçamento do pára-brisa do seu carro.

Para sua informação: o ingrediente ativo na coca-cola é o ácido fosfórico. Seu PH é 2.8. Ele dissolve uma unha em cerca de 4 dias. Ácido fosfórico também rouba cálcio dos ossos e é o maior contribuidor para o aumento da osteoporose. Há alguns anos, fizeram uma pesquisa na Alemanha para detectar o porquê do aparecimento de osteoporose em crianças a partir de 10 anos (pré-adolescentes). Resultado: excesso de coca-cola, por falta de orientação dos pais.

A coca light tem sido considerada cada vez mais pelos médicos e pesquisadores como uma bomba de efeito retardado, por causa da combinação coca + aspartame, suspeito de causar lupus e doenças degenerativas do sistema nervoso".



É por isso que eu só tomo Pepsi Twist!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:19 PM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:06 PM





INUMANA DOR

Lixo-me para a dialética do socialismo gordo e rubicundo
para o mercado de capitais e capitais pecados
do terço desfiado e sem rosário – espinhos, talvez!
Lixo-me! Lixo-me outra vez para a verdade
e a veleidade inútil democrática...
Antes a socrática saída – porém, nobre!
A sociedade cobre estas feridas...

Lixo-me mesmo para a vida – origem, meio e fim!
Não mais me iludo com o lixo acumulado da fartura,
e sobrevivo avesso à literatura inusitada
montada sob o efeito de palavras escolhidas
e a esmo unidas sob um manto de cultura...

Lixo-me mesmo para a vida e a morte!
Tornei-me estrume imune aos seus avanços
e no ranço sentido eu me misturo
e lixo-me por viver do escuro lado avesso às gentes
mormente pelo tudo não visto e não sabido...
Não vi e não sei, mas eu me lixo!
Sem lei é o mundo – obscuro;
e eu – bicho homem - me afundo mais neste monturo
de sonhos nus e enfadonhos
disputando o espaço infecto com urubus...

Lixo-me por ser homo erectus
quase quadrúpede – tão curvado – um bípede involuto e involuído.
Neste monte de lixo esquadrinhado
eu luto sem ter vivido
e lixo-me!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:58 PM





*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:46 PM



segunda-feira, abril 21, 2003

Estavam todas as mulheres em uma reunião com São Pedro:
- "Queremos fazer 3 reclamações e esperamos ser atendidas".
São Pedro pega um lápis e um papel...
- "Podem falar!"
- "Primeiro: queremos menstruar a cada seis meses em vez de todo mês."
São Pedro anota o primeiro pedido.
- "Segundo: queremos ficar grávidas só por 3 meses porque 9 meses e muita coisa!"
São Pedro anota o segundo pedido e fala:
- "E qual e o terceiro?"
- "Queremos que o pênis do homem seja mais bonito porque realmente é horrível!!!"
São Pedro anota tudo e fala para se reunirem em 1 mês para dar as respostas de Deus.
Um mês depois todos voltam a se reunir. São Pedro começa o discurso:
- "O pedido Nº 1 foi aceito parcialmente, vocês vão menstruar a cada 4 meses, porque o pedido de seis meses é muito longo e isso alteraria o objetivo da Criação..."
- "O pedido Nº 2 também foi aceito só parcialmente. A gravidez será de 6 meses porque 3 meses é muito pouco. Isso alteraria o objetivo da Criação..."
- "Já o terceiro pedido foi negado totalmente por Deus."
As mulheres começaram a berrar e reclamar:
- "Por que, Senhor?"
São Pedro responde:
- "Porque se feio, peludo e desajeitado vocês chupam, lambem, alisam e sentam em cima, se fosse bonito vocês iriam comer! E isso definitivamente alteraria os objetivos da Criação."

*Publicado por Dhuvi-Luvio 8:17 PM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 8:16 PM


SOBRETUDO

Seria esse mundo metafísico, ou a espiritualidade plena onde outros mundos e outras vidas e outras entidades e muitos "outros" coabitam pela graça de Deus. Isso explica tudo, acalma o meu ser e eleva meu espírito.
O senão, entretanto, persiste: ainda que eu creia nessa possibilidade [não uma crença amparada na crença pura e simples, mas em "sinais" e "provas" e convicção absoluta]. A crise que habita o ser crente, o Buda, o Cristo é que todo esse mundo espiritual, bom e infinito [junto com o Mal e tudo o mais] estão ainda dentro de um lado, de uma possibilidade e não dentro de um todo que seja visível a outros, discutível [não do ponto de visto da "prova científica", como podem estar pensando apressadamente], mas, ao contrário, da "não prova".
Meu mundo por uma NÃO PROVA.
O que nos falta não é a comprovação do meu Anjo Protetor porque ele não carece de provas, não é uma experiência da Física e sim um Anjo. O que nos falta é perceber outro Anjo [não o do Mal], mas outro anjo seja lá com que denominação for.
Eu entenderia que, numa possibilidade diversa, um radiador velho fosse um Anjo, que a ele se devessem sacrifícios rituais e que não houvesse a possibilidade da dúvida (visto que em outra possibilidade, a questão da dúvida pode sequer existir). Mas não. Nascemos e morremos (se é que isso realmente ocorre ¿ já que não há comparação com um "não nascer e morrer") já prisioneiros [se existir realmente o conceito de prisão] de um Absoluto que de absoluto não tem nada. Nascemos e morremos e invocamos espíritos e Anjos e deuses e Deus sem permitir a estes que se manifestem de forma diversa [tal como, em tese, possuem], diante da falha universal da impossibilidade de diálogo outro, de comparação de conhecimento maior. Aliás, sorrio ao escrever "conhecimento maior" posto que não sei o que é o meu conhecimento ou se essa palavra traduz o que penso. Ou se penso.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 8:04 PM




"Querida Adelaide. Só agora posso responder-te a carta que recebi há quase duas semanas. Justamente quando ela me chegou às mãos, acabava de ser ferido, ferimento ligeiro é verdade, mas que me levou à cama e trar-me-á uma convalescença longa. Que combate, minha filha! Que horror! Quando me lembro dele, passo as mãos pelos olhos como para afastar uma visão má. Fiquei com horror à guerra que ninguém pode avaliar... Uma confusão, um infernal zunir de balas, clarões sinistros, imprecações — e tudo isto no seio da treva profunda da noite... Houve momentos que se abandonaram as armas de fogo: batíamo-nos à baioneta, a coronhadas, a machado, facão. Filha: um combate de trogloditas, uma coisa pré-histórica... Eu duvido, eu duvido, duvido da justiça disso tudo, duvido da sua razão de ser, duvido que seja certo e necessário ir tirar do fundo de nós todos a ferocidade adormecida, aquela ferocidade que se fez e se depositou em nós nos milenários combates com as feras, quando disputávamos a terra a elas... E não vi homens de hoje; vi homens de Cro-Magnon, do Neanderthal armados com machados de sílex, sem piedade, sem amor, sem sonhos generosos, a matar, sempre a matar... Este teu irmão que estás vendo, também fez das suas, também foi descobrir dentro de si muita brutalidade, muita ferocidade, muita crueldade... Eu matei, minha irmã; eu matei! E não contente de matar, ainda descarreguei um tiro quando o inimigo arquejava a meus pés... Perdoa-me! Eu te peço perdão, porque preciso de perdão e não sei a quem pedir, a que Deus, a que homem, a alguém enfim... Não imaginas como isto faz-me sofrer... Quando caí embaixo de uma carreta, o que me doía não era a ferida, era a alma, era a consciência; e Ricardo, que foi ferido e caiu ao meu lado, a gemer e pedir — 'capitão, meu gorro, meu gorro!' — parecia que era o meu próprio pensamento que ironizava o meu destino...

Esta vida é absurda e ilógica; eu já tenho medo de viver, Adelaide. Tenho medo, porque não sabemos para onde vamos, o que faremos amanhã, de que maneira havemos de nos contradizer de sol para sol...

O melhor é não agir, Adelaide; e desde que o meu dever me livre destes encargos, irei viver na quietude, na quietude mais absoluta possível, para que do fundo de mim mesmo ou do mistério das coisas não provoque a minha ação o aparecimento de energias estranhas à minha vontade, que mais me façam sofrer e tirem o doce sabor de viver...

Além do que, penso que todo este meu sacrifício tem sido inútil. Tudo o que nele pus de pensamento não foi atingido, e o sangue que derramei, e o sofrimento que vou sofrer toda a vida, foram empregados, foram gastos, foram estragados, foram vilipendiados e desmoralizados em prol de uma tolice política qualquer...

Ninguém compreende o que quero, ninguém deseja penetrar e sentir; passo por doido, tolo, maníaco e a vida se vai fazendo inexoravelmente com a sua brutalidade e fealdade."


Trechos de O Triste Fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 7:55 PM



*Publicado por Dhuvi-Luvio 7:46 PM






Nome : Dhuvi-Lúvio
Local: Batel-Pr
Email para mim


EM CURITIBA

Links
Antigos

Powered by Blogger
Site Meter