<body>

Deixa com o Beque !!

sábado, novembro 08, 2003



FRAUDE

tinha medo, um medo profundo de ser devorado por si mesmo. passava noites em claro se policiando, só pro caso de ser surpreendido por um desses processos de pensamento bizarros que fazem as pessoas acabarem com a própria vida, seja em distensões lentas e graduais - sim, senhores viciados - seja em atos de efeito instantâneo, ou quase, como no caso do sujeito aquele que tentou se matar de mais de três formas diferentes e ocasionou uma bela duma lenda urbana, porque viveu pra contar a história, a imbecil história. enfim, o fato é que ele volta e meia se pegava pensando em formas diferentes e nem sempre agradáveis de dar cabo de seus problemas criando outros. nessa progressão, devemos levar em consideração que o próprio ato de caminhar de um ponto qualquer a outros quaisquer pode tornar-se uma tortura, e foi assim com ele, nosso exemplo de caos interno do momento. ele não conseguia caminhar, depois de ter-se erguido da cama suada por seus pensamentos ruins e encadeados de forma absurdamente coerente e progressiva ao limite do aceitável.

ficou ali, sem poder andar, em pé ao lado da cama bagunçada pela insônia e pela concatenação. óbvio que não poderia ficar naquela posição eternamente, imortal que não era e dada uma provável trombose que deveria advir da posição se mantida por muito tempo - sim, ficar em pé pode causar trombose, dizem que tem um outro nome: síndrome do avião intercontinental, mas eu duvido disso. pessoas já ficavam numa mesma posição por horas antes dos aviões, que o digam os faquires. mas eu não estou aqui pra questionar etimologia, então voltemos ao nosso herói somatizando uma paraplegia - e devo acrescentar que pelo menos o problema não surgiu em um decúbito dorsal, o que seria, convenhamos, patético.

percebeu que podia sim mover os braços, dedos, pescoço, cabeça, dedos do pé e até as orelhas - técnica desenvolvida ao longo de anos assistindo 'manimal' e de movimentos do maxilar que às vezes causavam uma certa dor na nuca - mas não conseguia mover as pernas. acreditando que deveria esperar o pior - estava ficando expert nisso, esperar o pior mesmo que nunca viesse e ainda assim não acreditar obter lucro em não incorrer em situações desagradáveis por mais que as desenhasse em sua mente conturbada, e foi com essa experiência que ficou ali, em pé, tristonho, aguardando as varizes, trombose, necrose e envenamento natural de seu organismo. não seria algo tão doloroso quanto uma metástase - mais ou menos parecida com a que nossa sociedade vivencia, tão destruidora quanto - mas ainda assim seria uma previsão sua que funcionaria. e o tempo foi passando, minuto por minuto, hora por hora, até que, depois de oito dias sentindo a fome, o sono, o inchaço e tudo o que dizia respeito ao seu corpo como um leve incômodo - o problema estava todo em sua mente, afinal - desabou, fosse pelo cansaço, pela posição forçada, pelo ódio que tinha de si mesmo, fosse o que fosse, desabou, desmaiando instantaneamente. acordou dias depois, sentindo uma bruta fome, sem nenhum pensamento negativo formulado ou concebível ou ainda, em concepção. nunca mais teve problemas de insônia.

começou a tomar estimulantes. afinal, as pessoas nunca estão felizes.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:57 PM




Preto e Branco

Estavam um Loiro e um Negão batendo um papo sobre racismo. Aí o Loiro falou:
- Você sabe por que o negro tem o corpo inteiro preto e só as mãos e os pés brancos?
O Negro respondeu:
- Não.
Então o Loiro disse:
- Porque quando Deus deu cor às criaturas, usou um spray e o negão ainda andava de quatro.
O Negro não gostou e pensativo perguntou:
- ...e você sabe por que você tem o corpo inteiro branco e só o ânus escuro?
- Não, respondeu o Loiro.
Porque a tinta do negão ainda estava fresca!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:55 PM




ITALIA X EUROPA

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:44 PM






A garota vai à primeira festa de sua vida e, com medo dos avanços dos rapazes, pede conselho à mãe:
-Se os rapazes começarem a insistir muito, minha filha, pergunta que nome vão dar às crianças. Isso vai fazer com que eles desistam.
Assim foi, no meio de uma dança um carioca diz:
- Vamos para o jardim atrás da piscina, mina?
Ela vai, mas quando o moço quer avançar ela pergunta:
- Que nome vamos dar à criança?
O carioca olha-a com surpresa, diz que se esqueceu a carteira no bar e sai de fininho.
Uma hora mais tarde repete-se a cena com um paulista.
Igualzinho, quando ela pergunta qual será o nome do filho, ele fica de pés frios e vai-se embora.
Mais tarde, chega um Mineirinho come quieto. Vai com ela para o jardim.
Começa com beijinho aqui, beijinho ali, e apalpa-lhe o peito.
Ela pergunta:
- Que nome vamos dar à criança?
Ele continua e abre o vestido dela.
- Que nome vamos dar à criança?
Ele chupa o peito direito.
- Que nome vamos dar à criança?
Ele tira o vestido dela e a sua calcinha.
- Que nome... ahhh... vamos dar... ahhhh... à criança? Ah... Ahhhhhh... Ahhhhhhhhhhhhhhhh... Que nome vamos dar à criança?
Depois de acabarem, ela pergunta mais uma vez:
- E agora, qual vai ser o nome do nosso filho?
Ele, triunfante, tira devagar o preservativo, levanta para o alto, dá um nó firme e diz:
-Se ele conseguir sair daqui, vai ser "Magaiver".

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:06 PM


sexta-feira, novembro 07, 2003



Depois de mostrar a bunda e esconder a cobra, o "dramaturvo"
Gerald Thomas resolveu protestar (mostrando o pau) contra seu julgamento na próxima terça-feira, dia 11 de novembro, colocando um pop up no seu site com uma foto em que aparece em nu frontal...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:51 AM




Encontre
aqui seu par...(repare na música de fundo do site)

O Playmobil entrou lá, escolheu e já se deu bem...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:46 AM


Um amigo lhe mandou um forte abraço...

E disse que se precisar pode lhe dar uma mão...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:37 AM





Inaugurou ontem no Shopping Estação aqui em Curitiba a filial da melhor churrascaria de Curitiba:
SAANGA GRILL.
Olha que a briga aqui no SUL é de cachorro grande, as churrascarias proliferam, há uma em cada esquina...
Mas o Saanga se distingue e se destaca pelo básico: ambiente acolhedor, carnes exclusivas com preparo especial, serviço dedicado e o principal: um preço muito honesto...


*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:07 AM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:28 AM


Lobão lança revista neste mês

Chegou às bancas a revista outracoisa (em minúsculas) de Lobão, que passa de vidraça a estilingue. A publicação bimensal aborda a cultura independente e traz encartado um CD da área. Começa por Enxugando gelo, de BNegão, com uma faixa inédita do rapper Sabotage, fuzilado em janeiro passado, num crime ainda sem solução. A música se chama Dorobô, ladrão, em japonês.

Roberto Carlos e João Gilberto juntos ?

A idéia surgiu no camarim do show de Roberto Carlos, que anteontem estreou no Credicard Hall, onde se apresenta também amanhã e domingo. O jornalista Chico Pinheiro, da TV Globo, puxou a conversa. "Você já disse que começou a carreira imitando o João Gilberto. Você nunca pensou em fazer um show com ele?" E Roberto: "Um disco. Eu queria fazer um disco com o João". Dody Sirena, empresário do cantor, revela as tratativas para que João participasse do novo CD do Rei, "Para Sempre", mas desencontros adiaram o projeto. Adiaram. Roberto continua querendo gravar com João. E o show? "Seria sensacional", diz o Rei.

Morre Mafalda Verissimo, mãe de Luis Fernando Veríssimo

Mafalda Halfen Volpe Verissimo, viúva do escritor Erico Verissimo, morreu na noite de terça, aos 90 anos, em Porto Alegre, vítima de complicações respiratórias. Gaúcha de Pelotas, ela começou a namorar o autor de "Incidente em Antares" quando tinha 15 anos e ficaram juntos até a morte do escritor, em 1975. Grande interlocutora de Clarice Lispector e amiga de dezenas de intelectuais que continuava recebendo em casa, teve dois filhos: Clarissa e o escritor Luis Fernando Verissimo.

Luana Piovani pode até ir presa por dizer que fuma maconha

A promotora Marcelle Navega, da 7ª Promotoria de Investigação Penal, encaminhou à Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) um pedido de abertura de inquérito contra Luana Piovani. A atriz será convidada a prestar esclarecimentos a respeito das declarações publicadas no jornal "O Tempo". A atriz, que afirmou fumar maconha de vez em quando, "para relaxar", pode ser indiciada por apologia ao crime (art. 287 do Código Penal), incitação ao uso indevido de entorpecentes (art. 12, parágrafo 2º, da lei nº 6368/76)

Sony e BMG se unem - Negócio criará segunda maior gravadora mundial

A Sony Music e a BMG anunciaram ontem que vão criar uma joint venture. O acordo resultará na segunda maior empresa fonográfica do mundo, perdendo apenas para a Universal Music. A união vai se chamar Sony BMG. As duas gravadoras assinaram ontem uma carta de intenções, que deverá levar a um contrato definitivo em dois meses. Com a parceria, a Sony BMG vai reunir artistas como Michael Jackson, Britney Spears e Pink em uma única gravadora. Dessa forma, as duas esperam enfrentar a Universal Music, com 25,9% do mercado. A indústria fonográfica precisa reduzir custos e garantir produtos mais competitivos para impedir que os clientes prefiram copiar músicas da internet para depois passá-las para o CD ou, então, comprar produtos piratas. A BMG teve prejuízo de 117 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano. A Sony Music também estimou perdas operacionais de US$ 50 milhões nos seis meses encerrados em setembro.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:27 AM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:26 AM




Romances clássicos
(Renato Machado)

Chegar ao prato principal numa ocasião de vinhos pode ser mais difícil do que se imagina. O anfitrião até faz planos, encomenda ou inventa receitas. Mas, no meio do caminho, uma garrafa arrebata mais do que as outras e muda tudo. As entradas se repetem. Tamanha é a sede dos comensais que é preciso saciá-la com mais vinho. De tal forma que quando se chega ao prato principal, a cena já poderá ter sido roubada pelo vinho que desde o início era o centro das atenções e estava sendo guardado para o final.

Ainda assim a gastronomia há muitos anos se esmera em pensar a melhor forma de tornar o vinho e o prato, em partes iguais, co-estrelas de um espetáculo, assim como as duplas do cinema. E, como no cinema, romances viraram casamentos em alguns exemplos clássicos. Aí vai uma lista deles:
Comida chinesa: Tábuas de frios: Churrascos: Filés com molhos espessos: Cordeiro (em costeletas ou gigot): Pato, em filés (magret) ou em pratos preparados, como arroz de pato: Presuntos de denominação de origem:
A regra a ser observada é a geográfica. Vinhos de uma região vão escoltar com equilíbrio as receitas da mesma região. Devem ser levadas em conta mesmo as esquisitices locais, como o bacalhau com tinto e o cassoulet (feijoada de feijão branco) com tintos jovens e potentes (syrah e grenache, já que não temos tintos do sudoeste francês).


Já a feijoada nativa, reconheço, no calor, é difícil de casar. Tinto espesso, malbec ou merlot, esfriado a 14 graus. Ou não.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:12 AM



quinta-feira, novembro 06, 2003




FÉ NA PIPOCA
(Topassada)

Você conhece Faith Popcorn? Não? Faith é uma mega empresária norte-americana conhecida em todo mundo como a Nostradamus do Marketing. Então, é bom ficar ligado em suas tendências.
A patroa dá consultoria às maiores empresas do mundo, alertando-as, sobretudo, a respeito de mudanças de comportamento e mercado. O fato é que não basta ter uma idéia e fazer a coisa acontecer. É preciso ser inteligente, pesquisar, checar o orçamento, os gastos, a viabilidade e o mais importante: o público-alvo. Sem isso, qualquer negócio vai por água abaixo.

Faith, que é a the boss de uma chiquetérrima agência em New York, a BrainReserve, sabe muito bem disso. Com um time de profissionais de fazer inveja, o pessoal não perde uma. Assistem todos os filmes, peças de teatro, compram todas as revistas, acompanham tudo pela TV, sacam de publicidade, moda, música, comportamento, psicologia... Ufa! De 1 tudo mesmo.

Com vários livros publicados, o mais recente é o "Dicionário do Futuro", que contém horrores de verbetes e novas conotações para muitas palavras. Sem contar o indispensável "Click", umas de suas obras mais importantes.

Click* é um guia ultra básico com as 16 tendências de mercado que a autora previu e lançou há quase uma década. E não se resume somente ao marketing, é fundamental como visão de mundo e perfeitamente aplicável em nosso dia a dia. Portanto, faça bom proveito das tendências da guru. Tente interpretá-las e saber como tirar proveito de cada uma.

*
C de coragem
L de liberação
I de insight
C de compromisso
K de Know-how


AS 16 TENDÊNCIAS DE FAITH POPCORN

Encasulamento: o impulso de ficar dentro de casa, quando o lado de fora se torna muito difícil e ameaçador. Um número cada vez maior de pessoas está transformando suas casas em verdadeiros ninhos - fazem nova decoração, assistem filmes pela TV a cabo, utilizam a Internet para fazer compras e usam a secretária eletrônica para filtrar o mundo exterior. A segurança do lar é o que importa.

Formação de clãs: pessoas que compartilham interesses comuns - idéias, aspirações, vícios e lazer. Fazer parte de um grupo é algo para se orgulhar e interagir.

Aventura da fantasia: necessidade de escapadas emocionais para sair da rotina, buscando estímulos através do turismo, alimentação ou realidade virtual.

Revanche do prazer: chega de ser bonzinho e politicamente correto. As pessoas estão cheias de privações em nome da saúde, dos bons costumes e nada melhora em suas vidas. E ainda podem ocorrer possíveis desastres e catástrofes, portanto, não é hora de privar de um gorduroso bife acebolado com bacon, ovos, batata frita e pavê de amendoim de sobremesa. Satisfação dos desejos é fundamental.

Pequenas indulgências: necessidade que consumidores frustrados ou estressados sentem de gratificar-se emocionalmente através de uma recompensa mais acessível. Não podendo pagar uma viagem de um mês à Europa, passam uma semana no Rio de Janeiro.

Ancoragem: busca de espiritualidade e de um significado para a vida. É hora de pensar em respostas mais simples, deixando o egoísmo e o materialismo de lado. O eu interior, a volta às raízes é o que importa.

Egonomia: desejo de desenvolver-se individualmente para se destacar dos outros através de posses, experiências e serviços personalizados.

Feminina Mente: mulheres não pensam como os homens, são diferentes. Essa tendência reflete um novo conjunto de valores profissionais e sociais, estimulando-nos a alterar a consciência de marketing - de um modelo orientado para objetivos e hierárquico para um modelo baseado no cuidar, no compartilhar e no familiar.

Homencipação: uma nova mente para os homens que não se limitam em ser estritamente de negócios e abraçam a liberdade de poder exercer sua individualidade, sendo menos machistas e mais sensíveis. Homens do lar.

99 Vidas: o ritmo frenético e a falta de tempo forçam as pessoas a assumirem vários papéis a fim de lidarem com a vida corrida e altamente tecnológica.

Sair fora: pessoas que trabalham, ao questionar o valor intrínseco de uma posição de poder, optam por uma vida mais simples, calma e satisfatória. O executivo que larga a carreira para montar uma pousada nas montanhas.

Viver: as pessoas sabem que podem morrer devido ao seu estilo de vida - comer mal, fumar, respirar ar poluído, usar drogas. Por isso, estão se responsabilizando cada vez mais por sua própria saúde e bem estar, procurando comer melhor, fazer exercícios físicos e relaxar com mais freqüência, proporcionando assim uma melhor qualidade de vida.

Volta ao passado: a saudade de uma infância despreocupada introduz um novo sentido de leveza nas nossas vidas adultas, na maioria das vezes, excessivamente sérias. Pessoas mais velhas gastam mais com roupas joviais, tintura de cabelo, brinquedos de adultos e plásticas. São mais brincalhonas e têm atitudes que antigamente seriam consideradas inadequadas.

Consumidor vigilante: consumidores que não toleram mais produtos de baixa qualidade, serviços ruins e mal atendimento querem empresas com maior grau de consciência e responsabilidade, pois podem manipular o mercado através de pressão, protesto e política.

Queda de ícones: os pilares da sociedade estão sendo constantemente questionados e rejeitados. Em quem e em que podemos confiar se perdemos a fé no governo, nas empresas, no casamento, nas lojas, nos heróis, na nossa própria família?

S.O.S. (Salve O Social): a fim de proteger nosso planeta, ameaçado de extinção, precisamos redescobrir uma consciência social com base em uma mistura de ética, educação, meio ambiente e compaixão.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:24 AM




O que se comenta no Inferno

O Diabo odeia comer sozinho. Todas as noites, recebe pequenos grupos para jantar no que chama de sua anticobertura, um duplex no último subsolo do Inferno, escolhendo entre as almas condenadas as mais interessantes e de melhor papo. Os pratos são sempre grelhados, e o vinho é de produção local, mas o principal é que todos se divertem, falando mal de Deus e todo o mundo, apesar de algumas desavenças. A Lucrécia Borgia, por exemplo, já tinha pedido para não ser colocada perto da Eva Braun, pois não agüentava mais as queixas da namorada do Hitler de que não merece estar no Inferno pois seu único pecado foi amar o homem errado. Mas, ultimamente, a questão de quem merece e quem não merece estar no Inferno vem sendo muito discutida. É, aliás, o assunto dominante nos jantares do Diabo, que confessa estar às voltas com uma verdadeira rebelião de almas que pedem revisão de sentença e perdão retroativo.

É o caso dos que foram mandados para o Inferno por usura, no tempo em que era pecado. E — como gosta de lembrar o Diabo, com um sorriso malicioso — a Igreja ainda não inventara o Purgatório justamente para acomodar os usurários, pois sem eles não haveria empréstimo a juros, bancos e sistemas financeiros. Hoje, a usura não só é o que faz o capitalismo rodar, como é o que manda no mundo. E, principalmente, não é mais pecado, pois os juros não são mais uma abominação aos olhos do Senhor. Até a Igreja tem bancos. E os condenados por usura no Inferno perguntam se não têm direito à mesma respeitabilidade conquistada pelos banqueiros, que hoje enriquecem em vida sem o risco de as suas almas penarem na morte, e à absolvição. Ou pelo menos a um upgrade para o Purgatório.

O Diabo não costuma convidar usurários queixosos para a sua mesa, mas não pode prescindir da presença de Oscar Wilde, um dos seus comensais favoritos, apesar das suas constantes críticas à comida, à companhia e à ausência de ar condicionado. E Wilde, que foi preso, execrado e excomungado por homossexualismo, ao ficar sabendo da ordenação de um bispo gay pela Igreja Anglicana, esta semana, também passou a reivindicar uma imediata revisão do seu caso e transferência para o Céu. “Nada contra você, D”, diz Wilde, “mas aposto que o vinho lá é melhor”. Não adianta o Diabo argumentar que nem ele nem Deus são senhores dos tempos, que mudam, ou da justiça divina, que não tem corregedoria. Wilde só promete epigramas cada vez mais pesados, mas a gritaria dos indignados do Inferno aumenta.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:01 AM





Eu tive um sonho
Que eu estava certo dia
Num congresso mundial
Discutindo economia

Argumentava em favor de mais trabalho
Mais empenho, mais esforço, mais controle, mais valia
Falei de pólos industriais, de energia
Demostrei de mil maneiras
Como um país crescia

E me bati pela pujança econômica
Baseada na tônica da tecnologia
Apresentei estatísticas e gráficos
Demonstrando os maléficos
Efeitos da teoria

Principalmente a do lazer, do descanso
Da ampliação do espaço cultural, da poesia

Disse por fim para todos os presentes
Que um país só vai para frente
Se trabalhar todo dia

Estava certo de que tudo que eu dizia
Representava a verdade pra tudo mundo que ouvia

Foi quando um velho levantou-se da cadeira
E saiu assoviando uma triste melodia
Que parecia um prelúdio bachiano
Um frevo pernambucano, um choro de Pixinguinha

E no salão todos as bocas sorriram
Todos os olhos me olharam
Todos os homens saíram
Um por um ? um por um ? um por um ? um por um

Fiquei ali naquele salão vazio
De repente senti frio
Reparei que estava nu!
Me despertei, assustado e ainda tonto
Me levantei e fui de pronto
Pra calçada ver o céu azul

Os estudantes e operários que passavam
Davam risada e gritavam
Viva o índio do Xingu
Viva o índio do Xingu


(Eu tive um sonho - Gilberto Gil)

Nosso Ministro da Cultura mostra que está apto a almejar o cargo de Ministro da Fazenda, ou até mesmo a Presidência da Funai...
Repararam nos maléficos efeitos do lazer e do descanso ?? Vindo de um baiano...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:50 AM



quarta-feira, novembro 05, 2003



Ai!, Como é Duro Ser o Macho da Espécie!

Pois é, as divas pelaí, que se dizem massacradas, inferiorizadas, discriminadas, amadurecem apenas 300 a 400 óvulos em toda sua vida (e olha que já recebem, de graça, ao nascer, de 200 a 300 mil sementes) pra exercer a nobre tarefa de fecundar.

Reparem que a nobreza é sempre delas. Nós, machos, queremos apenas rosetar.

Mas pouca gente sabe, inclusive as implicadas, o inacreditável esforço que o pobre diabo aqui tem que fazer pra levar um esperma a suas últimas conseqüências. Só isso já justificaria a sua vida de macho, a mais sacrificada das sete espécies de sexos existentes entre seres humanos.

Vejam só e apenas: o fluido branco amarelado que ejetamos através de nosso refinado e delicado aparelho reprodutor, e que contém os famosos espermas (langanho, pros mais velhos) especializados em perseguições a óvulos fugidios em úteros femininos (passando por bares, cantadas e presentes dispendiosos), também produz o plasma seminal. Sem ele as células espermáticas não comem, não bebem, ficam tristes e morrem.

Mas o negócio não é assim "Mamãe, lá vem o bonde!", é muito mais complicado. Temos que produzir 100% de sêmen pra produzir 2% de esperma. Não é mole, como elas bem sabem. E aí, quando o esperma começa a viajar pelo nosso trato reprodutivo, temos que fazer com que os vários túbulos e glândulas desse sistema comecem a segregar fluidos capazes de conduzi-lo a seu glorioso destino.

Dos testículos o esperma é armazenado no epidídimo, onde secreções de potássio, sódio e (tomem fôlego, mocinhas!) glycerylphophorylcholina (fonte de energia espérmica) são adicionados às células do propriamente dito. O esperma matura no epidídimo, daí passa por um longo tubo (proporcionalmente do comprimento da Transamazônica) que se chama tubo deferente (é diferente, sim, mas a língua tem dessas coisas) e chega a outra área de montagem, chamada ampula ou ampola, não estou bem certo.

A ampula (ou ampola, pô!, já disse que não estou bem certo!) segrega um líquido amarelo, ergothioneina, que reduz (removendo oxigênio) algumas substâncias químicas, e adiciona frutose, açúcar que fortalece o esperma. Durante o processo de ejaculação do sêmen, junta-se a ele líquidos oriundos da próstata e da vesícula seminal, o que ajuda a diminuir a concentração do esperma e cria o perfeito meio ambiente pra ele.

O fluido produzido pela vesícula seminal constitui 40 a 80 por cento do volume do sêmen. Contem frutose, aminoácidos, ácido cítrico, fósforo e potássio. A glândula da próstata contribui com 15 a 30 por cento do plasma seminal, sendo este constituído de ácido cítrico, ácido fosfatado, cálcio, zinco, potássio, proteína divisora de enzimas, e fibrolisina (enzima que reduz o sangue e as fibras do tecido).

A adição final ao sêmen é o fluido segregado pelas glândulas bulbouretral e uretral; uma proteína lubrificante grossa e clara, mas conhecida como porra. O plasma seminal serve para diluir o esperma afim de que tenha a devida mobilidade. Fluido demais ou de menos paralisa o esperma e, adeus, nonino! Também essencial à mobilidade do todo são quantidades exatas de potássio e magnésia, a presença de proporções adequadas de oxigênio no plasma, temperatura certa, e ligeira porção de acidez.

O sulfato no sêmen evita que as células do esperma inchem - e frutose (como todos sabem uma hexose cristalina, ortorrômbica, incolor, formada, juntamente com a glicose, pela hidrólise da sacarose) é o ingrediente fundamental de sua alimentação. Nos seres humanos - você e eu que está me lendo, mais ninguém - cada ejaculação contem de 200 a 300 milhões de espermas.

Essa hiperprodução é fundamental porque, no final, o sêmen carrega células degeneradas da rede de túbulos e dutos por onde passa - além de ser poluído por gorduras, proteínas, pigmentos e grânulos cristalinos de algumas senhoras. Mas não pensa que é só isso não, seu-sua ignorante! O sêmen é ejaculado em várias etapas. Primeiro a uretra é inundada e lubrificada com secreções bulbouretrais e uretrais.

Aí são emitidas as secreções da próstata, seguidas pelo esperma e fluidos do duto deferente e do ducto (é a mesma coisa do outro, só que se escreve de duas maneiras e eu não ia deixar de aproveitar) epidídimo. A parte final da longa viagem é a secreção das vesículas seminais.

Esta porção novamente pressiona a uretra para que todo o esperma seja, enfim - "Vem! Vem! Vem! Não pára não! Não pára agora não!" - ejaculado. Aí é só puxar aquele cigarrinho - ignorando solenemente recomendações sinistras do Ministério da Saúde - dar uma longa baforada e perguntar docemente: "Foi bom, meu bem?", com o risco de, depois de todo esse gigantesco esforço, receber a resposta: "Foi. Bom, foi. Mas não foi lá essas maravilhas."


MORAL: E ELAS AINDA SE QUEIXAM DA DUPLA JORNADA DE TRABALHO.

(Texto de Millôr Fernandes)

*Publicado por Dhuvi-Luvio 7:21 PM



Tá rolando um e-mail com uma lista contendo 50 provas de que a Matrix, simulação criada pelas máquinas para dominar os humanos, teria sido mais uma obra da fabricante de softwares Microsoft. Confira:

01) Você precisa dar reload de tempos em tempos.
02) 0,1 % de código não compreendido é capaz de comprometer os outros 99,9% do ambiente que funcionavam bem.
03) Você é obrigado a comprar outros produtos, supérfluos e caros, para entender um pouco daquilo pelo qual já pagou.
04) O criador está pouco se "lixando" para o que acontecerá com o usuário na próxima versão.
05) Tudo parece bonitinho no papel de parede, mas a realidade é obscura.
06) Novas versões nem sempre eliminam o problema anterior, mas trazem encrencas maiores no futuro.
07) O sistema operacional presume que você não sabe, não quer, não deve e não pode pensar por si próprio.
08) O ambiente suga todos os recursos do sistema, e toda a a energia do usuário..
09) Quando muita ação acontece simultaneamente, tudo fica em câmera lenta.
10) Qualquer programa ou usuário comum pode se converter, sem mais nem menos, em algo que se vira contra você.
11) Todos seus passos são monitorados pelo criador do sistema operacional.
12) Os programas deletados continuam no amibente, fazendo o que não deviam.
13) Você tem sensações de "deja vu", e de que estão remendando o código.
14) Programas rápidos são mitos.
15) Por mais que você se atualize e faça treinamento, sempre lançam novas versões desnecessárias que fazem a mesma coisa de antes, só para tirar o seu controle sobre o ambiente.
16) A concorrência inteligente é perseguida e aniquilada, por menor que seja.
17) Os idealizadores não são humanos!
18) Qualquer hacker consegue passar pelos seus firewalls.
19) Por mais que você tenha apanhado do sistema, o suporte do fabricante sorri como se todos usuários estivessem tranquilos e felizes.
20) Programas feitos ali não rodam fora de seu ambiente operacional.
21) O idealizador não liga para as necessidades dos usuários avançados, uma vez que a maioria está feliz em sub-utilizar um programa que não compreende.
22) O sistema toda decisões por você, ainda que não seja as que você prefira.
23) O ambiente facilita a multiplicação dos vírus e a atuação dos hackers.
24) Nem o idealizador entende totalmente como 100% funciona.
25) O lançamento das sequências de produtos atrasam 4 anos.
26) Tudo que você vê é sempre uma cópia enfeitada e artificial de algo que já existia antes.
27) As perguntas dos usuários são ignoradas.
28) A maioria dos programas roda muito mais lentamente do que deveriam.
29) No começo, parecia ser um paraíso, mas não servia para nada. E tudo foi ficando pior para o usuário a cada versão.
30) Seus lançamentos são mundiais, simultâneos, e com forte esquema de marketing.
31) Programas cosméticos dão ilusão de entretenimento e prazer ao usuário fútil, enquanto os idealizadores é que ficam mais poderosos.
32) As mensagens de orientação do sistema - quando existentes - são vagas e indiretas.
33) Qualquer problema, por menor que seja, cresce até o sistema precisar de um reload.
34) Uma simples queda localizada de eletricidade pode comprometer todo o sistema.
35) Os novos lançamentos se preocupam mais com a aparência e com a inexistência de concorrência do que com a manutenção do que rodava bem antes.
36) Rodar dois programas poderosos no mesmo ambiente gera confusão.
37) Lançam correções corrigindo a correção de 72 horas atrás, e você precisa dar novo boot ao reinstalar.
38) Seus idealizadores querem controlar o mundo só porque fizeram um programa que muitos usam.
39) A maior parte dos recursos do sistema são consumidos só para dar a ilusão de boa aparência.
40) Eles nunca acreditam que o ambiente alternativo, preferido pelos hackers, possa ir para frente.
41) Não se pode confiar nos Agentes de Segurança.
42) Não há nada para se fazer em relação aos bugs, a não ser que você aceite ser cobaia de uma nova versão.
43) Se quiser ver alguma coisa além, sempre precisará de um plug "in".
44) É preciso destruir quase tudo a cada nova versão lançada.
45) Por mais que se programe direito, sempre há algo que não dá certo, que ninguém sabe o porquê, e que se resolve com boot.
46) O suporte age sempre como se você fosse um idiota que não sabe o que está fazendo, mas mesmo assim deixa tudo para você mesmo descobrir e resolver.
47) Os idealizadores "ferram" quem tenta abocanhar uma fatia do bolo que ele mesmo oferece.
48) Quem precisa de velocidade e segurança acessa Oracle no mesmo ambiente, mas vive tentando mudar de plataforma.
49) Programas antigos geram conflitos. E a maior de todas as provas:
50) Seu criador pensa que é Deus!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 6:50 PM



*Publicado por Dhuvi-Luvio 11:15 AM



*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:45 AM





So,
so you think can tell
heaven from hell, blue skies from pain
Can you tell a
green field
from a cold steel rail?
A smile from a veil
Do you think can tell?
And did they get you to trade your
heroes for ghosts?
Hot ashes for trees?
Hot air for cool breeze?
Cold comfort for change?
And did you excharge a
walk on part in the war
for a lead-role in a cage?

How I wish,
How I wish you where here
We're just two lost souls,
swimming in a fish bowl,
year after year
Running over the same old ground
What have we found?
The same old fears
Wish you where here



Então,
então você pensa que consegue distinguir
o céu do inferno,céus azuis da dor.
Você consegue distinguir um
campo verde
de um frio trilho de aço?
Um sorriso de um véu?
Você acha que consegue distinguir?
Fizeram você trocar seus
heróis por fantasmas?
Cinzas quentes por árvores?
Ar quente por uma brisa fria?
Conforto frio por mudança?
Você trocou um papel de
figurante na guerra
por um papel principal numa cela?

Como eu gostaria,
como eu gostaria que você estivesse aqui.
Somos apenas duas almas perdidas
nadando num aquário,
ano após ano,
correndo sobre este mesmo velho chão.
O que encontramos?
Os mesmos velhos medos.
Gostaria que você estivesse aqui.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:18 AM



terça-feira, novembro 04, 2003



Dezesseis chopes
"Comédias da Vida Privada", Luís Fernando Veríssimo.

A conversa já passara por todas as etapas que normalmente passa uma conversa de bar. Começara choca, preguiçosa. O mais importente, no princípio, são os primeiros chopes. A primeira etapa vai até o terceiro chope.
Do terceiro ao quarto chope, inclusive, contam-se anedotas. Quase todos já conhecem as anedotas, mas todos riem muito. A anedota é só pretexto para rir. A mesa está ficando animada, isso é o que importa. São cinco amigos.
Eu disse que eram cinco à mesa? Pois eram cinco à mesa. Dois casados, dois solteiros e um com a mulher na praia - quer dizer, nem uma coisa nem outra. E entram na terceira etapa.
Durante o quinto e o sexto chope, discutem futebol. O que nos vai sair desse tal de Minelli? Olha, estou gostando do jeito do cara. E digo mais, o Grêmio não aguenta o roldão nesta fase do campeonato. Quer apostar? Não aguenta. Porque isto e aquilo, que venha outra rodada. E - escuta, ó chapa - pode vir também outro sanduíche aberto e mais uns queijinhos.
O sétimo chope inaugura a etapa das graves ponderações. Chega a Crise e senta na mesa. O negócio não está fácil, minha gente. Vocês viram a história dos foguetes? Na Europa, anda terrorista com foguete dentro da mala. Em plena rua! O nego entra num hotel, pede um quarto, sobe, abre a mala, vai até a janela e derruba um avião. Derruba um avião assim como quem cospe na calçada!
São homens feitos, homens de sucesso, amigos há muitos anos. Nenhum melhor do que o outro. A etapa das graves ponderações deságua junto com o nono chope, na etapa confidencial. Pois eu ouvi dizer que quem está por trás de tudo... Agora todos gritam, as confidências reverberam pelo bar. Os cinco estão muito animados.
Um deles ameaça ir embora, ams é retido à força. Outra rodada! Hoje ninguém vai pra casa. Começa a etapa inteligente. Todos dizem frases definitivas quem nenhum ouve, pois cada um grita a sua ao mesmo tempo. Doze chopes. Treze. Começa uma discussão, ninguém sabe muito bem se sobre palitos ou petróleo. A discussão termina quando um deles salta da cadeira, dá um murro na mesa e berra: "E digo mais!" Faz-se silêncio. O quê? O quê? "Eu vou fazer xixi..."
Com quinze chopes começa a fase nostalgia. Reminiscências, auto-reprimendas, os podres na mesa. As grandes revelações. Eu sou uma besta... Besta sou eu. Tenho que mudar de vida. Eu também. Cada vez mais me arrependo de não ter... de não ter... sei lá! E então um deles, os olhos quase se fechando, diz:
- Sabe o que é que eu sinto, mas sinto mesmo?
Ninguém sabe.
- Sabe qual a coisa que eu mais sinto?
- Diz qual é?
- Sabe qual o vazio que eu mais sinto aqui?
- Diz, pô!
- É que eu nunca tive um canivete decente.
O silêncio que se segue a esta revelação é mal compreendido pelo garçom, que vem ver se querem a conta. Encontra os cinco subitamente sóbrios, olhando para o centro da mesa com o ressentimento de anos. É isso, é isso. Um homem precisa de um canivete. Não de qualquer canivete, não desses que dão de brinde. Um verdadeiro canivete. Pesado, de fazer volume na mão, com muitas lâminas. Um canivete decente.
- Eu tive - diz, finalmente, um dos cinco. É uma confissão.
E os outros olham para ele como se olha para um homem completo. Ali está o melhor deles, e eles não sabiam.




*Publicado por Dhuvi-Luvio 7:03 PM






*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:45 AM





PÓS-VÉRBIOS

Antes sol, do que sal acompanhado
Devagar se vai ao monge
Deus não ajuda, quem se toma droga
Onde some um, somem dois
De grão em grão, a galinha esvazia o saco
Vão-se os anéis, ficam-se os medos
Antes, arde mais que nunca
Quem desenha, quer vender
Quem tudo quer, tudo pede
Casa de ferreiro, esperto é o pau
O sol não separa todos
Não peixes para amanhã o que postas fazer hoje
Quem espera sempre cansa
A esperança é a última que corre
Dizes-me com o que andas e eu te direi com que pés
Errar é engano
Berrar é humano
Quem com erro fere, com erro será ferido
Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de plantão
Em casa de enforcado não se fala que acorda
Quem ri por último demorou para entender
Quem não tem mão amassa com o garfo
Um berro não justifica o outro
A presa é inimiga da refeição
A ocasião faz o patrão
Quem está na chuva é para melhorar
Faz cama e deita na lama
Santo de casa não faz vinagre
Em terra de cego quem tem um olho é lei
A noite todas as gatas safadas
Quem vê cara não vê oração
Quem semeia vento colhe resfriado
Amor com amor se apaga
Deus dá vozes a quem não tem dentes
A mentira tempera a cura
O afobado come cu
O que os olhos nunca vêem o coracao decente
Há mares que vem para bem
Para bom entendedor meia lavada basta
A melhor defesa é o sotaque
O bom cabrito nao erra
Onde há fumaca há jogo
Um enterro não justica o outro
Olho por óleo dente por gente
Quem não chora não ama
Cresça e apodreça
O ferir-me não compensa
O ser guru morreu de velho
Água mole em pedra dura mais rebate que perfura
Quando um não quer dois obrigam
A vida limita a arte
Mágoas passadas não movem caminhos
O hálito faz o longe
Devagar com a dor que o pranto é de barro
Dois picudos não se queixam
A inveja é uma perda
Tudo é força mas a de Deus é de foder

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:40 AM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:35 AM





*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:23 AM




"LEVE A ELE MEU ABRAÇO"
(Ensaio: Roberto Pompeu de Toledo - Revista Veja)

Só podia mesmo acontecer num país tropical. O assessor entra na sala do presidente. Componha o leitor na mente um cenário de García Márquez. Ventiladores no teto, moscas rondando. À entrada, um porteiro bigodudo, camisa aberta, gotas de suor deslizando pelo pescoço, dorme a sesta, as mãos cruzadas sobre o barrigão. Sol de 40 graus. "Vou viajar", avisa o assessor. O presidente ergue os olhos algo entorpecidos, é uma hora do dia em que custa esforço mantê-los abertos. "Para onde?", pergunta. "Vou a X." O diálogo é lento como os movimentos do corpo. "Fazer o que lá?", pergunta o presidente, enquanto ergue a barra da calça para coçar a perna. "Vou visitar o preso político. Só queria saber se o senhor não vai precisar de mim." O presidente boceja, depois se espreguiça. "Não. Pode ir." O assessor prepara-se para sair. Já está à porta, onde tenta ultrapassar as pernas que o porteiro barrigudo, na inconsciência do sono, esticou além do devido, bloqueando a passagem, quando o presidente volta a dirigir-se a ele: "Dê-lhe um abraço por mim".

O cenário é fictício, mas reveste um diálogo que, na essência, ocorreu de verdade. Abandonemos a ficção, voltemos ao ramerrão da atualidade brasileira. No último dia 22, Frei Betto, o assessor especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, viajou ao Pontal do Paranapanema, a famigerada região paulista dos conflitos de terra. Seu objetivo era visitar o líder dos sem-terra locais, José Rainha, preso por ordem da Justiça. Cumprida a visita, Frei Betto fez declarações nas quais ressaltam duas formulações estarrecedoras. A primeira foi sua caracterização de José Rainha como "preso político". A segunda, a informação de que levou o abraço de Lula ao preso. Ao dizer ao presidente que ia visitar Rainha, explicou o assessor, ele lhe pediu que lhe levasse seu abraço.

Eis-nos transpostos a um mundo de paradoxos que fazem cócegas na cabeça e desconcertam. Preso político, como se sabe, é coisa de ditadura. Segue-se que, se Rainha é preso político, é porque vivemos sob uma ditadura. Ditadura tem ditador. Ditadores é que mandam para os cárceres os presos políticos. Quem seria o ditador do Brasil? Afaste-se desde logo que seja Lula. Se fosse, Frei Betto não estaria a seu serviço. Muito menos denunciaria a existência de uma ditadura, que ao fim e ao cabo é o que se faz quando se denuncia a existência de presos políticos.

O ditador, em outra hipótese, seria o juiz que mandou Rainha para o xadrez. A acreditar nela, deve-se acreditar também que o fez por mero arbítrio, na qualidade não de agente da lei, mas de atrabiliário tiranete. Caso contrário, não seria um ditador. Ora, se há um tiranete desse naipe tomando conta de um pedaço do Brasil, e se Lula, eleito democraticamente e governando sob a égide da Constituição, é o responsável supremo pelo império da lei na totalidade do território nacional, que faz ele que não investe contra o insubmisso, não o denuncia e o desmascara? Como pode permitir que, em desafio à própria autoridade, floresça um ditadorzinho de paróquia? E que faz ele pelo "preso político" em questão? Manda um abraço? Isso basta? Um abraço, e estamos conversados?

Não há remédio, diante de tantos complicadores, senão o refúgio no realismo fantástico. Não foi por outra razão que começamos com um cenário de García Márquez. Nesse plano, sim, uma democracia com adversários na cadeia é tão admissível quanto uma ditadura em que o assessor do ditador faz visitas de cordialidade a presos políticos. Igualmente não causaria surpresa, nesse reinado de absurdos, um presidente que enviasse abraços a seu preso político de estimação.

Chamar Rainha de "preso político" não é exclusividade de Frei Betto. O MST também o faz. Nesse caso é mais compreensível, em primeiro lugar porque cai bem como golpe de propaganda e em segundo porque, na visão do MST, ou pelo menos de sua parte mais ideológica, o regime é ilegítimo, e portanto não muito longe de configurar uma ditadura. Já Frei Betto é um agente do governo, e das figuras mais próximas do presidente. Se ele também considera ditatorial o regime do qual seu chefe é o supremo comandante e principal guardião, então... Paremos por aqui. De novo caímos no labirinto dos paradoxos. De resto, preso político mesmo, na sua mais legítima expressão, que é o preso de consciência, encarcerado pelo delito de pensar de modo diferente do ditador de plantão, tem Cuba. Com o regime cubano, no entanto, Frei Betto não só mantém fraternais relações como é um de seus maiores propagandistas.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:19 AM





Nome : Dhuvi-Lúvio
Local: Batel-Pr
Email para mim


EM CURITIBA

Links
Antigos

Powered by Blogger
Site Meter