<body>

Deixa com o Beque !!

sexta-feira, fevereiro 20, 2004



Página principal do UOL: ouça bem o que as "Marcinhas" têm a lhe dizer

*Publicado por Dhuvi-Luvio 12:40 PM




No Club que eu pulei a maioria dos meus carnavais o lança-perfume corria solto
e era informalmente liberado, uma vez que até o presidente o cheirava no meio do salão.
Naquele tempo o tubinho de vidro usado para higienizar vasos sanitários na Argentina
ainda não era taxado como narcótico pelas leis brasileiras. Ou seja a galera detonava.
O mais interessante era que alguns pais de família que levava os filhos para o baile
eram os mais exaltados e não tardava para um deles ficar tonto e ser segurado
pela própria esposa ou senão a sogra !! Já sei que você deve estar achando que
essa cidade é utópica ou fictícia, mas não é... Até hoje a coisa ainda é tolerada,
com os usuários um pouco mais discretos na verdade...
Isso foi expediente de muito garotão que queria agarrar a menininha arisca,
um lencinho na boca dela bastava para o enlace começar... Bons tempos...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:33 AM




Taí o que você queria: agora pode-se escolher entre comer o
bumbum da Scheila Carvalho ou da Scheila Mello

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:07 AM


quinta-feira, fevereiro 19, 2004




Coisa de Bêbado

Uma mulher foi às compras em um supermercado perto de casa, onde pegou:

- 2 caixas de leite integral,
- 1 dúzia de ovos,
- 1 litro de suco de laranja,
- 1 alface americana,
- 1 kg. de café, e
- 1 pacote de bacon fatiado.

Enquanto ela passava as compras do carrinho para a esteira do caixa, um bêbado, seguinte na fila, a observava.

Enquanto o caixa registrava as suas compras, o bêbado calmamente disse: "Você deve ser solteira."

A mulher ficou um pouco espantada com a declaração, e intrigada com a intuição do bêbado, já que, de fato, era solteira.

Ela olhou os seis itens sobre a esteira e nada viu de particular, em sua seleção, que pudesse sugerir ao bêbado seu estado civil.

Com a curiosidade aguçada, ela disse: "O senhor sabe, está absolutamente correto. Mas como diabos conseguiu descobrir isso?"

E o bêbado respondeu: "É porque você é feia!"

*Publicado por Dhuvi-Luvio 2:28 PM


http://clik.to/dhuvi

Use o endereço acima para acessar este blog - adicione aos seus favoritos

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:27 AM




Pornografia Pessoal
[de um Ilusionista Fracassado]*

- Teu pai nos procurou apresentando sintomas de um tumor avançado. Na próstata. Não conseguimos convencê-lo a fazer o exame de toque. Tentamos submetê-lo a uma ultra-sonografia transretal, que também foi recusada. Pelos demais exames, o quadro não se mostrou nada bom. Realizamos então uma intervenção cirúrgica. Não pudemos fazer mais nada. A célula metást..., digo, as células doentes migraram pela corrente sangüínea e se instalaram no fígado e nos ossos. Teu pai demonstrou grande resistência à idéia de voltar ao hospital. Só está aqui por que sofreu uma fratura na bacia, em decorrência do tumor. Agora... - fez um profundo suspense, e me olhou com uma expressão que misturava profissionalismo com a mais pura compaixão (na verdade, parecia era que estava se contendo pra não rir) - ... não há mais nada que possamos fazer.

- Entendo - falei. - Pra ver que o velho tá nas últimas, é só olhar pra cara dele.

Dr. Roberto, visivelmente decepcionado com a minha reação, ficou um tempo me estudando, em silêncio. Depois caiu na besteira de acrescentar:

- É uma pena que isto esteja acontecendo. Um exame tão simples...

(Alguém, de qualquer forma, teria mesmo que pagar por tudo...)

- O senhor está se referindo ao exame de toque retal, não é mesmo?

Ele concordou com a cabeça. Continuei a falar, didaticamente. Um pequeno demônio soprava coisas no meu ouvido, como naqueles desenhos do Tom & Jerry:

- Veja bem, doutor... é o seu dedo - e sacudi o indicador em riste, bem na frente da sua cara. - O ânus é do meu pai - e espetei o dedo no ar, dramaticamente. - Compreende? Não adianta vir com esta história de distanciamento científico, saúde, doença e o escambau... pra mim, e, sem dúvida, também pro velho Saldanha, dedo é dedo, cu é cu. Entrar no corpo, no cu de um homem, é coisa muito séria, doutor. Veja bem: atrás do dedo, tem o senhor. Atrás do cu, tem o meu pai... Quem gosta de influência é baiano, doutor. Sabe quanta coisa meu pai construiu na vida em defesa do lacre inviolável do seu bendito RABO? SABE?!?

Segurei-o pela manga. Ele me olhava com cara de idiota: devia estar consultando mentalmente seus manuais de psicologia. Comecei a falar cada vez mais alto:

- Pois eu digo, doutor: meu pai é um Homem, um Macho!, como não se encontra mais hoje em dia. Hoje em dia se aceita tudo da parte de um homem, Tudo! Cabelo comprido... brinco na orelha... Estou falando daquilo que é mais sagrado pra um homem, daquilo que o faz diferente das mulheres e dos maricas como o senhor! Falo de preconceito, doutor, rigidez, fio-de-bigode e trabalho duro! O senhor pensa que é fácil ser macho? Pensa?! CALA A BOCA! Eu tô falando!

- ... eu falo dos tapumes, seu doutorzinho de merda, das paliçadas, dos campos minados que um Homem tem que espalhar em torno de si... Como humilhar garçons em pleno restaurante quando a comida demora, constituir família, saber a função exata do virabrequim na mecânica do automóvel, discutir futebol, votar no Brizola, assar carne, colecionar espingardas e facas, preferir matar ou morrer do que levar desaforo pra casa, falo do cu de mão única, doutor, a coisa mais fora de moda hoje em dia... O cu, doutor, é a última cidadela do Macho!

E repeti, aos berros, puxando firme a manga do jaleco imaculado, a boca quase encostada na sua orelha:

- O CU É A ÚLTIMA CIDADELA DO MACHO!

E, como que pra ilustrar tudo o que eu tinha dito até ali:

- Além disto, como é que se pode confiar num sujeito que, depois de estudar seis anos, se especializa em enfiar o dedo no cu dos outros?



* Tìtulo do livro inédito de Nilo Oliveira, de onde foi tirado o trecho acima. Inacreditável saber que continua inédito um cara que tem a manha de escrever um diálogo como esses - além de descrições de sacanagens que fariam corar um Marcelo Mirisola [aliás autor do prefácio], sem falar do lirismo incrustado no desespero: "Uma ave marinha se destaca contra o céu em círculos atentos. De repente fecha as asas, entesa o bico e cai, traçando uma ponte vertical do azul até o azul... Pra descobrir [do jeito mais duro] que o mar não passa de um cenário de azulejos sobreposto ao asfalto". FakeFakir


*Publicado por Dhuvi-Luvio 8:49 AM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 8:44 AM


quarta-feira, fevereiro 18, 2004


*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:27 PM




Hedonismo
(José Arreguy Pi)

Eu li em um dos livros do Ruy Castro que, ainda mais legal do que unir o útil ao agradável, é unir o agradável ao agradável. A exaltação do desfrute. Há tempos venho ruminando sobre isso.

Conheço muitas pessoas que vão ao cinema, a boates e restaurantes parecem eternamente insatisfeitas. Até que li uma matéria com a escritora Chantal Thomas na revista República e ela elucidou minhas indagações internas com a seguinte frase: "Na sociedade moderna há muito lazer e pouco prazer".

Lazer e prazer são palavras que rimam e se assemelham no significado, mas não se substituem. É muito mais fácil conquistar o lazer do que o prazer. Lazer é assistir a um show, cuidar de um jardim, ouvir um disco, namorar, bater papo. Lazer é tudo o que não é dever. É uma desopilação. Automaticamente, associamos isso com o prazer: se não estamos trabalhando, estamos nos divertindo. Simplista demais.

Em primeiro lugar, podemos ter muito prazer trabalhando, é só redefinir o que é prazer. O prazer não está em dedicar um tempo programado para o ócio. O prazer é residente. Está dentro de nós, na maneira como a gente se relaciona com o mundo.

Chantal Thomas aborda a idéia de que o turismo, hoje, tem sido mais uma imposição cultural do que um prazer. As pessoas aglomeram-se em filas de museus e fazem reservas com meses de antecedência para ir comer no lugar da moda, pouco desfrutando disso tudo. Como ela diz, temos solicitações culturais em demasia. É quase uma obrigação você consumir o que está em evidência. E se é uma obrigação, ainda que ligeiramente inconsciente, não é um prazer.

Complemento dizendo que as pessoas estão fazendo turismo inclusive pelos sentimentos, passando rápido demais pelas experiências amorosas, entre elas o casamento. Queremos provar um pouquinho de tudo, queremos ser felizes mediante uma novidade. O ritmo é determinado pelas tendências de comportamento, que exigem uma apreensão veloz do universo.

Calma. O prazer é mais baiano. O prazer não está em ler uma revista, mas na sensação de estar aprendendo algo. Não está em ver o filme que ganhou o Oscar, mas na emoção que ele pode lhe trazer. Não está em faturar uma garota, mas no encontro das almas. Está em tudo o que fazemos sem estar atendendo a pedidos. Está no silêncio, no espírito, está menos na mão única e mais na contramão.

O prazer está em sentir. Uma obviedade que merece ser resgatada antes que a gente comece a unir o útil com o útil, deixando o agradável pra lá.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:20 PM




O presidente de uma GRANDE EMPRESA sentado em sua enorme sala sem
absolutamente nada para fazer começa a pensar sobre o que é trabalho e o
que é lazer em seu dia. Após uma enorme lista de diversões ele chegou na
hora em que transa com sua esposa, com a qual já está casado há 15 anos.
Sem conseguir concluir ao certo se transar com sua esposa é trabalho ou
prazer ele chama o vice-presidente em sua sala. Um pouco menos desocupado,
o vice para de ler as reportagens sobre a empresa que haviam sido
publicadas no jornal e vai até a sala do Presidente que lhe pergunta:
" -- Transar com minha esposa é trabalho ou prazer ?"
O vice pensa alguns segundos e incerto da resposta pede duas horas para
responder. Volta para sua sala, chama o diretor geral da empresa e faz a
mesma pergunta:
" -- Quando o presidente dorme com a mulher dele é trabalho ou prazer?"
dando ao diretor geral o prazo de uma hora para responder.
Imediatamente o diretor geral, mesmo sem nada pra fazer, delega a função
para ao diretor jurídico que passa a pergunta para o advogado sênior e
assim vai até chegar no babaca do adv júnior que se formou há seis meses
mas esqueceu que foi estagiário. Assim como o resto da empresa o advogado
jr. fica na dúvida e vai até a mesa de seu estagiário:
" -- Você tem cinco minutos pra descobrir se quando o presidente transa
com
a mulher dele é trabalho ou prazer !!!"
O estagiário então, sem parar de digitar com a mão direita e separar uma
pilha de documentos com a mão esquerda, olha para o adv jr. por cima das
milhares de pastas que estão em sua mesa e responde:
" -- É prazer".
Espantado com a rapidez e confiança da resposta do estagiário o adv
jr.pergunta:
" -- Mas como vc tem tanta segurança em sua resposta"
Ainda sem parar de trabalhar o estagiário responde:
" -- Porque se fosse trabalho era eu quem ia fazer!".

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:42 PM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:05 PM




Viagens boas prá cachorro

Dica: escolha "PR" e "Ilha do Mel"...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:34 AM


segunda-feira, fevereiro 16, 2004




Nome : Dhuvi-Lúvio
Local: Batel-Pr
Email para mim


EM CURITIBA

Links
Antigos

Powered by Blogger
Site Meter