<body>

Deixa com o Beque !!

sexta-feira, abril 16, 2004



EU JÁ SABIA !!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:56 PM




Bangu1 - O Rio Descontrolado está de volta !!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:35 PM




- O bom é ter uma horta no quintal, como meu vizinho
- E o terceiro carro não mais me atrapalha
- Agora só falta a estabilidade financeira chegar
- Tetracloroetano e clorofórmio eram minhas milhagens
- Querido filho, não foi por falta de tentativas
- Ei, Deus, mas quantas linhas tortas !
- Rola a trilha sonora de Kill Bill, volume 1 e 2
- Sei que o mundo gira, mas o raio do meu é minúsculo...
- Não devo dizer mais nada antes de escurecer totalmente
- Ingratidão numa hora dessas ? Paga-se aqui as faltas !
- Nem ao menos esperou ter a certeza. Descamisou...
- Basta um sorriso e um erro na circulação sanguínea
- Avisa lá que eu gosto de vinho em taça grande
- Enquanto isso eu vou aprendendo a ser e a não ter
- Sabendo que o final será feliz mas só quando for o final mesmo...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:02 PM





ERA UMA VEZ NA AMÉRICA

Filho: Pai, porque é que tivemos que atacar o Iraque?

Pai: Porque eles tinham armas de destruição em massa, filho.

F: Mas os inspetores não encontraram nenhuma arma de destruição em massa.

P: Isso é porque os iraquianos as esconderam.

F: E porque é que nós invadimos o Iraque?

P: Bom, as invasões funcionam sempre melhor que as inspeções.

F: Mas depois de os termos invadido, ainda não encontramos nenhuma arma...

P: Isso porque as armas estão muito bem escondidas. Mas haveremos de
encontrar alguma coisa, provavelmente antes mesmo das próximas eleições.

F: Para que é que o Iraque queria todas aquelas armas de destruição massa?

P: Para as usar numa guerra, claro.

F: Estou confuso. Se eles tinham todas essas armas e planejavam usá-las
numa guerra, então porque é que não usaram nenhuma quando os atacamos?

P: Bem, obviamente não queriam que ninguém soubesse que eles tinham aquelas
armas, por isso eles escolheram morrer aos milhares em vez de se
defenderem.

F: Isso não faz sentido. Porque é que eles haveriam de escolher morrer se
tinham todas aquelas armas poderosas para lutar contra nós?

P: É uma cultura diferente. Não é necessário fazer sentido.

F: Pai, não sei o que é que você acha, mas não me parece que eles tivessem
quaisquer daquelas armas que o nosso governo dizia que eles tinham.

P: Bem, não interessa se eles tinham ou não aquelas armas. De qualquer modo
nós tínhamos outra boa razão para os invadir.

F: E qual era?

P: Mesmo que o Iraque não tivesse armas de destruição em massa, Saddam
Hussein era um cruel ditador, o que era outra boa razão para invadir um
país.

F: Por quê? O que é que um ditador cruel faz para que seja correto invadir
o seu país?

P: Bom, pelo menos uma coisa, ele torturava o seu próprio povo.

F: Assim como fazem na China?

P: Não compare a China com o Iraque. A China é um bom parceiro econômico,
onde milhões de pessoas trabalham por salários de miséria, em condições
miseráveis, para tornar as empresas norte-americanas mais ricas.

F: Então, se um país deixa que o seu povo seja explorado para o lucro das
empresas americanas, é um bom país, mesmo se esse país tortura o povo?

P: Certo.

F: Porque é que o povo no Iraque era torturado?

P: Por crimes políticos, principalmente, como criticar o governo. As
pessoas que criticavam o governo no Iraque eram presas e torturadas.

F: Não é isso o que também acontece na china?

P: Já disse, a China é diferente.

F: Qual é a diferença entre a China e o Iraque?

P: Bom, ao menos por uma coisa: o Iraque era governado pelo partido Baas,
enquanto que a China é comunista.

F: Você não tinha dito uma vez que os comunistas eram maus?

P: Não, só os comunistas cubanos são maus.

F: Porque é que os comunistas cubanos são maus?

P: Porque as pessoas que criticam o governo em Cuba são presas e
torturadas.

F: Como no Iraque?

P: Exatamente.

F: E como na China, também?

P: Já disse, a China é um bom parceiro econômico. Cuba, por outro lado, não
é.

F: Porque é que Cuba não é um bom parceiro econômico?

P: No início dos anos 60, o nosso governo fez umas leis tornando ilegal o
comércio com Cuba, é que eles deixassem de ser comunistas e começassem a
ser capitalistas como nós.

F: Mas se nós acabássemos com essas leis, abríssemos o comércio com Cuba, e
começássemos a fazer negócios com eles, isso não ajudaria os cubanos a
tornarem-se capitalistas?

P: Não se faça de esperto!

F: Eu acho que não sou.

P: Bom, de qualquer modo, também não há liberdade de religião em Cuba.

F: Assim como na China?

P: Já disse, deixa de falar mal da China. De qualquer maneira, Saddam
Hussein chegou ao poder através de um golpe militar, por isso ele não era
realmente um líder legítimo.

F: O que é um golpe militar?

P: É quando um general toma o poder pela força, em vez de eleições livres
como nós temos nos Estados Unidos.

F: O líder do Paquistão não chegou ao poder através de um golpe militar?

P: Aah, sim, foi; mas o Paquistão é nosso amigo.

F: Como é que o Paquistão é nosso amigo se o seu líder é ilegítimo?

P: Eu nunca disse que o general Pervez Musharraf era ilegítimo.

F: Mas você acabou de dizer que um general que chega ao poder pela força,
derrubando o governo legítimo de uma nação, é um líder ilegítimo

P: Só Saddam Hussein. Pervez Musharraf é nosso amigo, porque ele nos ajudou
a invadir o Afeganistão.

F: E porque é que nós invadimos o Afeganistão?

P: Por causa do que eles nos fizeram no 11 de setembro.

F: O que é que o Afeganistão nos fez no 11 de setembro?

P: Bem, em 11 de Setembro de 2001, dezenove homens, quinze dos quais da
Arábia Saudita, desviaram quatro aviões e lançaram três contra edifícios,
matando mais de 3.000 norte-americanos.

F: E onde é que o Afeganistão entra nisso tudo?

P: O Afeganistão foi onde esses homens maus foram treinados, sob o regime
opressivo dos Talibãs.

F: Os Talibãs não são aqueles maus radicais islâmicos que cortam as cabeças
e as mãos das pessoas?

P: Sim, são esses. Não só cortavam as cabeças e as mãos das pessoas, como
também oprimiam as mulheres.

F: Mas o governo Bush não deu aos Talibãs mais de USD 40.000.000,00 em maio
de 2001?

P: Sim, mas esse dinheiro foi uma recompensa porque eles fizeram um bom
trabalho na luta contra as drogas.

F: Na luta contra as drogas?

P: Sim, os Talibãs ajudaram a impedir as pessoas de cultivarem papoulas de
ópio.

F: Como é que eles fizeram tão bom trabalho?

P: É simples. Se as pessoas fossem apanhadas cultivando papoulas de ópio,
os Talibãs cortavam-lhes as mãos e as cabeças

F: Então, quando os Talibãs cortavam as cabeças e as mãos das pessoas que
cultivavam flores, isso estava certo mas não se eles cortavam as cabeças e
as mãos por outras razões?

P: Bom, nós achamos que é certo os radicais fundamentalistas islâmicos
cortarem as mãos das pessoas por cultivarem flores, mas achamos cruel que
eles cortem as mãos das pessoas por roubarem pão.

F: Mas na Arábia Saudita eles também não cortam as mãos e as cabeças das
pessoas?

P: Isso é diferente. O Afeganistão era governado por um patriarcado
tirânico que oprimia as mulheres e as obrigava a usar burqas sempre que
elas estivessem em público, e as que não cumprissem tal ordem eram
condenadas à morte por apedrejamento.

F: Mas as mulheres na Arábia Saudita não têm também que usar burqas em
público?

P: Não, as mulheres sauditas simplesmente usam uma vestimenta islâmica
tradicional.

F: Qual é a diferença?

P: A vestimenta islâmica tradicional usada pelas mulheres sauditas é uma
roupa modesta, mas em moda, que cobre todo o corpo da mulher, exceto os
olhos e os dedos. A burqa das afegãs, por outro lado, é um instrumento
maligno da opressão patriarcal que cobre todo o corpo da mulher, exceto os
olhos e os dedos.

F: Parece-me a mesma coisa com um nome diferente.

P: Você não vai querer comparar o Afeganistão com a Arábia Saudita. Os
sauditas são nossos amigos

F: Mas você não disse que 15 dos 19 piratas do ar do 11 de setembro eram da
Arábia Saudita?

P: Sim, mas foram treinados no Afeganistão.

F: Quem é que os treinou?

P: Um homem chamado Osama Bin Laden.

F: Ele era do Afeganistão?

P: Aah, não, ele era também da Arábia Saudita. Mas era um homem mau, um
homem muito mau.

F: Se bem me lembro, ele já tinha sido nosso amigo.

P: Só quando nós o ajudamos e aos mujahadin a repelir a invasão soviética
do Afeganistão, nos anos 80

F: Quem são os soviéticos? Não eram do Império do mal, comunista, que
Ronald Reagan falava?

P: Já não há soviéticos. A União Soviética acabou por volta de 1990, e
agora eles têm eleições e capitalismo como nós. Agora os chamamos de
russos.

F: Então os soviéticos, quero dizer, os russos, agora são nossos amigos?

P: Mais ou menos. Eles foram nossos amigos durante uns anos, quando
deixaram de ser soviéticos, mas depois decidiram não nos apoiar na invasão
do Iraque, por isso agora estamos aborrecidos com eles. Também estamos
aborrecidos com os franceses e com os alemães porque eles também não nos
ajudaram a invadir o Iraque.

F: Então os franceses e os alemães também são maus?

P: Não completamente, mas suficientemente maus para termos mudado o nome
das French Fries (batatas fritas) e das French Toasts (torradas) para
Freedom Fries (batatas da liberdade) e Freedom Toasts (torradas da
liberdade).

F: O Iraque não foi um dos nossos amigos nos anos 80?

P: Sim, durante algum tempo.

F: Saddam Hussein não era então o líder do Iraque?

P: Sim, mas nessa altura ele estava em guerra contra o Irã, o que fazia
dele nosso amigo.

F: Porque é que isso fez dele nosso amigo?

P: Porque naquela altura o Irã era nosso inimigo.

F: Isso não foi quando ele lançou gás contra os curdos?

P: Sim, mas como ele estava em guerra contra o Irã, nós fazíamos de conta
que não víamos, para lhe mostrar que éramos seus amigos.

F: Então, quem lutar contra um dos nossos inimigos torna-se automaticamente
nosso amigo?

P: A maior parte das vezes sim.

F: E quando alguém luta contra um dos nossos amigos torna-se
automaticamente nosso inimigo?

P: Às vezes isso é verdade. Porém, se as empresas americanas puderem lucrar
vendendo armas para ambos os lados, ao mesmo tempo, tanto melhor.

F: Por quê?

P: Porque a guerra é boa para a economia, o que significa que a guerra é
boa para a América. Além disso, já que Deus está do lado da América, quem
se opõe à guerra é um ateu, anti-americano, comunista. Percebes agora
porque é que atacamos o Iraque?

F: Acho que sim. Nós atacamos porque era a vontade de Deus, certo?

P: Sim.

F: Mas como é que nós sabíamos que Deus queria que atacássemos o Iraque?

P: Bem, Deus fala pessoalmente com George W. Bush e lhe diz o que fazer.

F: Então, basicamente, você está dizendo que atacamos o Iraque porque
George W. Bush ouve vozes na cabeça?

P: Isso mesmo! Finalmente você percebeu como o mundo funciona. Agora fecha
os olhos e dorme.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 12:59 PM




Encanto em bolhas
(Renato Machado - Rio Show)

O meu amigo e colega de redação me pergunta sobre uma das insistências da mulher dele, que adora prosecco. A dúvida é se o vinho vale a pena. Respondo que sim quando não se pretende degustar um belo vinho para falar dele depois. Se o objetivo for lembrar o nome e repetir outro dia, o prosecco não está entre as primeiras escolhas de espumantes. Há outras, talvez pagando-se um pouco mais. Imitar champanhe a baixo preço não precisa ser um exercício em língua italiana. Os espumantes nacionais cumprem o papel com distinção.

Mas como a mulher do meu amigo se interessa por vinhos brancos, é preciso fazer a escolha logo. Mulheres são o futuro do vinho, me disse Pierre Emmanuel Taittinger, presidente de uma casa de champanhe famosa. Ele acha que este vai ser o século das mulheres no vinho — como provadoras, consumidoras, produtoras.

E ele tem lá suas razões, e consistentes. O champanhe é sedutor, lembra Ingrid Bergman. Faz brilhar os olhos das mulheres sem lhes inflamar o rosto. A escritora francesa Colette recomendava que fosse bebido a goles refletidos, pausados.

Lilli Bollinger, herdeira de outro grande champanhe, dizia o que fazia com ele: “Bebo-o quando estou feliz e quando estou triste. Sempre quando estou sozinha. Quando tenho companhia, é obrigatório. Provo quando não estou com fome e bebo bem quando como. Senão, nunca tomo — a não ser quando estou com sede.”

O champanhe sempre encantou, mesmo as mulheres que não gostam de vinho branco. São as bolhas, como pérolas? Ou a cor amarelo brilhante, que nas safras antigas ganha toques de ouro velho? O que distingue os bons dos maus é sempre o aroma — e é nesse ponto que os modestos proseccos perdem o jogo.

Fico impressionado com o número de rótulos nas estantes e a proliferação de nomes próprios, de família, de fantasia, que nada significam, só confundem, todos escritos em italiano, com cores e desenhos modernos, de vanguarda.

Como esses produtores esperam que um casal enamorado, numa bela sexta-feira de abril, saiba se orientar nessa vasta nomenclatura? Adami, Pisani, Franco, Carpenè Malvolti, Ruggeri — não faltam produtores da região do Vêneto depois que a moda do prosecco chegou.

São artistas, esses produtores vênetos. Antigamente faziam um valpolicella e um soave que eram parte do dia-a-dia, vinhos simples e fáceis. Veio a moda do refinamento, a revolução do consumo. Eles mudaram o amarone e o valpolicella. Não conseguiram mudar muito o soave, mas com a uva prosecco, que não servia para coisa alguma, conseguiram fazer um espumante. O resto é história.

Mas meu amigo não deve deixar a mulher à espera de um prosecco. Por todas as razões deste mundo e porque ela é a sua mulher, ele precisa correr para comprar um espumante melhor. Que seja um bom champanhe, não aqueles de luxo, caríssimos, mas um não-safrado, sem o ano escrito no rótulo. Sugiro um Taittinger.

O nome é cúmplice de grandes momentos, aqueles em que o coração fica apressado. E para agradar ainda mais, por que não experimentar o rosé, da cor do outono?

*Publicado por Dhuvi-Luvio 11:29 AM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 11:21 AM




O que é Churrasco ??

Resposta Feminina:

O churrasco é o único cozimento que um homem faz. Quando um homem se propõe a realizar um, a cadeia dos acontecimentos é a seguinte:

01 - A mulher vai ao supermercado comprar o que é necessário.
02 - A mulher prepara a salada, arroz, farofa, vinagrete e a sobremesa.
03 - A mulher tempera a carne, coloca-a numa bandeja com os talheres necessários enquanto que o homem está deitado junto à churrasqueira, bebendo uma cerveja.
04 - O homem coloca a carne no fogo.
05 - A mulher vai para dentro de casa pôr a mesa e verificar o cozimento
dos legumes.
06 - A mulher diz ao marido que a carne está queimando.
07 - O homem tira a carne do fogo.
08 - A mulher arranja os pratos e coloca-os na mesa.
09 - Após a refeição, a mulher traz a sobremesa e lava a louça.
10 - O homem pergunta à mulher se ela! apreciou não ter que cozinhar e perante o ar aborrecido da mulher, conclui que elas nunca estão satisfeitas...


Resposta Masculina:

01 - Nenhum churrasqueiro é tonto o suficiente para pedir à mulher para
fazer as compras para um churrasco, pois ela vai trazer cerveja Kaiser, um
monte de bifes, asas de frango e uma peça de picanha de 4,800 Kg que o açougueiro disse ser "Ótima", pois não conseguiu empurrar para nenhum homem.
02 - Salada, arroz, farofa, vinagrete e a sobremesa... Ela prepara isto só
para as mulheres comerem. O homem come só a carne.
03 - Temperar carne??? Na carne só se joga sal grosso na hora de assar e
pronto. Bandeja com talheres? Só se for para as frescas. Homem que é homem, come com as mãos.
04 - Coloca a carne no fogo??? A carne vai para a grelha ou para um espeto
que tem que ser virado a toda hora.
05 - Legumes???Como eu já disse, só as mulheres comem isso.
06 - Carne queimando??? O ! homem só deixa a carne queimar quando a mulherada
reclama: "Não quero comer sangue" ;"Isto está muito cru..." ;"Deixa passar um pouquinho mais" (após a décima vez que você oferece o mesmo pedaço que estaria no ponto uma hora antes). Ou seja, elas acabam comendo carne em forma de carvão, tão mole e suculenta quanto o espeto.
07 - Ainda bem que somos nós é que tiramos a carne do fogo,pois se fossem
elas, comeríamos carvões como os descritos no parágrafo anterior.
08 - Pratos? Só se for para elas mesmas!
09 - Sobremesa? Só se for mais uma Skol. Lavar louça? Só usei meus dedos!!!
(limpei na calça).
10 - Realmente, ninguém nunca vai entender as mulheres... Nem elas nunca
vão entender o que é um churrasco !!!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 11:15 AM






RECICLANDO

É importante, sempre, saber quando termina uma etapa da vida. Se você insiste em permanecer nela, além do tempo necessário, perderá a alegria e o sentido de tudo o mais. Encerrando ciclos, fechando portas, ou encerrando capítulos, como queira chamar, o importante é poder encerrá-los, deixando ir momentos da vida que se concluíram.

Terminou o seu trabalho? Acabou a sua relação com o parceiro? Você já não vive mais numa determinada casa? Deve fazer uma viagem? A amizade com alguém terminou? Roubaram você em sua casa? Morreu um ente querido? Quebrou ou estragou um objeto de estimação? Você descobriu que o mentor espiritual que seguia era uma frande?

Você pode passar muito tempo do seu presente remoendo os porquês, tentando devolver a cassetada que levou ou mesmo procurando entender porque aconteceu tal fato em sua vida. O desgaste vai ser infinito, pois na vida, você, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos temos de ir encerrando capítulos, virando a página, concluindo etapas ou momentos da vida e seguir adiante.

Não podemos estar no presente com saudades do passado. Nem sequer perguntando-nos por que? O que passou, passou, e temos que soltar, desprender, não ficar preso ao que passou. Não podemos ser crianças eternas, nem adolescentes tardios, nem empregados de empresas que já não existem mais, nem ter vínculos com quem não quer estar vinculado a nós. Não.

Os fatos passam e temos que deixa-los ir! Por isso, às vezes, é importante destruir recordações, livrar-se de presentes, mudar de casa, rasgar papeis velhos, desfazer-se de livros ou de objetos que são desnecessários. As mudanças externas podem simbolizar processos interiores de superação. Deixar ir, soltar, desprender-se. Na vida ninguém joga com cartas marcadas e temos que aprender a perder e a ganhar. Temos que deixar ir, virar a página, viver só o presente. O passado já passou. Não espere que lhe devolvam o passado, não espere reconhecimentos, não espere que em algum momento se dêem conta de quem é você.

Solte o ressentimento, ligar o seu televisor pessoal para retornar ao assunto, só vai causar-lhe dano mental, envenená-lo, amargurá-lo. Apesar do tempo não ser linear, a vida está para a frente, nunca para trás. O que passou deve servir apenas para que continue a viver com mais sabedoria. Se você anda pela vida deixando portas abertas, nunca poderá desprender-se nem viver o hoje com satisfação. Noivados ou amizades que não se fecham, possibilidades de regressar para que? Necessidade de esclarecimentos, palavras que não se disseram, silêncios que o invadiram: se puder enfrentá-los já e agora, faça-o! Se não, deixe-os ir, encerre os capítulos. Diga a você mesmo que não, que não deve voltar.

Mas não por orgulho, nem por soberba, mas porque você já não se encaixa aí, nesse lugar, nesse coração, nessa habitação, nessa morada, nesse escritório ou nesta profissão. Sua freqüência agora é outra. Você já não é o mesmo que foi há dois dias, há três meses, há um ano. Portanto, não há porque voltar. Feche a porta, vire a página, encerre o ciclo. Nem você será o mesmo, nem as circunstâncias seriam as mesmas, porque na vida nada se mantém quieto, nada é estático. É saudável mentalmente ter amor por você mesmo, desprender-se do que já não está em sua vida. Recorde que nada nem ninguém é indispensável. Nem uma pessoa, nem um lugar, nem um trabalho, nada é vital para viver porque:

Quando você veio a este mundo, chegou sem qualquer adesivo ou etiqueta. Portanto, é apenas costume viver apegado a um adesivo ou etiqueta. E é um trabalho pessoal aprender a viver livre, sem o adesivo ou etiqueta humano ou físico que hoje lhe dói deixar ir. Mas ... encerre, feche, limpe, jogue fora, oxigene, desprenda-se, sacuda, solte. Existem muitas palavras que significam saúde mental e qualquer que seja a que você escolha lhe ajudará definitivamente a seguir adiante com tranqüilidade. Esta é a vida.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:49 AM


quinta-feira, abril 15, 2004



O novo serviço de e-mail gratuito Gmail, oferecido pelo Google, atraiu a atenção na semana passada pela grande capacidade de armazenamento: um gigabyte (GB) para guardar mensagens.
Não é difícil afirmar que, muito em breve (por que não dias?) o serviço vai atrair milhões de usuários do mundo todo que querem uma conta. Um gigabyte multiplicado por milhões pode representar o maior espaço de armazenamento existente até então, além de provavelmente ser um possível problema de privacidade, graças ao modelo de negócios adotado pelo Google. No e-mail gratuito, anúncios relacionados ao conteúdo das suas mensagens vão aparecer na tela enquanto você as lê.

O Hotmail, da Microsoft, e o Yahoo! Mail, do Yahoo!, oferecem poucos megabytes gratuitos. Quer mais espaço? Pague por ele. O Google começa a destruir esse modelo de e-mail pela internet. E um outro serviço de hospedagem de serviços web para Macintosh, o Spymac Network, também começou a oferecer um armazenamento de 1 GB para seus usuários.

Vamos fazer uma conta básica: se o Gmail tiver 1 milhão de usuários, será necessário pelo menos um disco rígido de 1 PB (petabyte) para guardar tudo. Adicione mais um disco para redundância, mais um para indexar conteúdo e um vendedor de soluções de armazenamento pode vender ao Google um disco de pelo menos 2,5 PB, só para começar. Mas o Google não funciona desse jeito.

O Google usa servidores distribuídos e armazenamento projetado com clusters (módulos) em servidores centrais Linux X86 com um ou dois discos rígidos cada. Esses servidores guardam o índice de páginas da web do Google, de maneira separada dos próprios documentos web.

Uma porta-voz do Google confirmou: "o Gmail é construído usando as tecnologias de busca do Google, permitindo aos usuários buscar com rapidez muitas informações em seus e-mails. Usando palavras-chave ou um recurso de busca avançada, os usuários do Gmail poderão encontrar o que quiserem, quando precisarem." O Gmail está em fase de testes e os funcionários do Google já tem seus endereços "gmail.com".

No lado técnico, tal arquitetura de sistema é pouco usual, já que o comum é armazenamento em rede. Também pode ser uma aposta para o gigante das buscas. Especialistas em armazenamento apontam que usar métodos alternativos pode ser muito melhor para lidar com dados em grande quantidade.

O sistema do Google pode ser definido como armazenamento direto (DAS, ou direct-attached storage), onde a unidade de armazenamento, por mais incrível que pareça, é ligada diretamente a um computador. A maioria das grandes redes de armazenamento utilizadas atualmente são do tipo ligadas em rede (NAS, network attached) - onde um servidor de dados em uma rede fornece acesso pela própria rede - ou rede de área de armazenamento (SAN, ou storage area network), uma sub-rede de alta velocidade de equipamentos de armazenamento compartilhado.

O Google pretende tratar e-mails como se fossem páginas da internet. Essas páginas serão indexadas e os dados, salvos no índice geral do Gmail. E a sua tecnologia de buscas pode ajudar os usuários a encontrar as mensagens com palavras-chave ou outros recursos de busca. A página do serviço afirma que cada mensagem será agrupada com todas as suas respostas e demonstrada como se fosse uma conversação. Isso é similar a um grupo de discussões.


(PC-World)

*Publicado por Dhuvi-Luvio 11:34 AM




Num dos episódios da série Sex and the City, a personagem Miranda está saindo com um sujeito que nunca consegue fazê-la gozar. Cansada de fingir orgasmos, ela decide contar para o cara o que está acontecendo (ou não está acontecendo). Numa cena muito engraçada, ela pergunta se ele sabe onde fica o clitóris. A resposta é "claro que sim"; então ela retruca que sua localização real está pelo menos cinco centímetros distante do lugar onde ele insiste que o negócio fica. A cena é hilária, mas a verdade é que existe por aí um monte de mulheres insatisfeitas, fingindo ou não orgasmos, e um outro tanto de homens que o tempo todo erram por cinco centímetros (ou menos, mas erram) e nem se dão conta disso.

É claro que este não é o seu caso, mas é sempre bom saber que existem lugares que se preocupam em explicar, tim tim por tim tim, como é, como funciona e como lidar com o sexo feminino (sexo, neste caso, não como referencial de gênero, mas sim a própria estrutura anatômica).

O
Instituto da Vagina é um website que funciona como um centro de informações sobre a própria, informando didaticamente homens e mulheres sobre a anatomia do órgão sexual feminino, repleto de curiosidades, mitos, um guia completo, enfim. As mulheres podem até fazer um teste que avalia o grau de beleza da dita cuja.

Como eles dizem por lá, "o Instituto da Vagina é um centro de pesquisas especializado em coletar e processar dados e informações sobre o órgão reprodutor feminino. Os dados e as informações referem-se a todas as partes externas visíveis da vulva e as estruturas internas da vagina, assim como práticas sexuais femininas e rituais direta ou indiretamente relacionados à vagina". Esclarecedor.


Via LAD - Sexo, Álcool e Cotidiano

*Publicado por Dhuvi-Luvio 11:11 AM




HOJE MESMO

O jeito que você arruma seu cabelo procurando aquele efeito que o mundo não quer reparar:
- revela tanto.
E o tempo que demora para decidir se aquilo que está ouvindo é convincente para poder
Concordar
- e me deixa esperando.
Eu posso esperar

Assim que eu entro já no cumprimento eu reconheço as múltiplas perguntas que na ausência entram em meu lugar
Seus olhos fitam com medo.
A única certeza que eu tenho é absurda pois a dúvida sustento por que não me mudar
Pro seu apartamento
Hoje mesmo

Hoje eu vou sair por aí anunciando que o Sol não vai mais se deitar
As plantas gostam de chuva mas por você nem mesmo as nuvens teriam razão de haver em nenhum lugar
Não…
Não…
Não tenha medo!
O nosso amor é essencial
Nenhum amor é imortal
Eu gosto de você!

Se um gênio perguntasse quais seriam os meus três desejos o primeiro: pediria ao tempo voltar pra trás
- pra te ver aos dezesseis anos
Não há idéia que alcance ou seja parecida com a imagem da menina esguia, a bolsa a tiracolo
- e as pedras só pesando
Pois ela nunca irá jogá-las!

O seguinte, segundo desejo, emoldurar no céu o seu sorriso que eu pensei que nunca mais pudesse reencontrar
O filho é que cria a mãe

E o último, complexo, honesto e genuíno, amar sem precisar da dor, querer também sem magoar
Tocar seu corpo
Hoje mesmo.


Nando Reis em:
“A Letra A”

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:00 AM


segunda-feira, abril 12, 2004



ELA : - Mas a vida é muito curta ! Eu tenho as minhas obrigações sociais, tenho minhas preocupações familiares. Além de tudo, tenho que organizar minha vida. Eu preciso ganhar dinheiro para viver, eu preciso comer ! Ninguém vive só de espiritualidades ! Eu quero vencer, ser independente, ter um lugar só meu... Você não se preocupa com nada disso porque vive nesse mundo de luzes. Queria ver se estivesse no meu lugar, aposto que teria as mesmas ambições !

ELE : - Este tipo de pensamento é muito comum. Na verdade todos somos criados de forma a pensar desta maneira. Esta educação é passada de pai para filho sem saber. A sociedade força as pessoas a pensarem assim. Pensam no futuro como daqui a alguns anos e não sabem que o futuro é um presente eterno. As pessoas se disfarçam de carne e osso e não admitem serem animais. Que paradoxo ! Você quer harmonia, mas financeira. Você quer conforto, mas físico. E nessa aventura você ficou tão só que até isolou uma parte de si mesma. E a vida não é curta não ! Nós é que desprediçamos as inúmeras chances. Quantas vezes a vida nos bateu à porta, eu me estremecia todo, e você nem aí, nem era com você !

ELA : - Você tem razão ! Na verdade eu me sufoquei na disputa cotidiana, foi o ritmo da vida moderna o responsável por esta divisão interna. A idéia deste diálogo, nunca passou de uma lembrança. Às vezes alguns sonhos projetados ou mesmo vagas ilusões . Neste momento, eu me sinto diferente, é como se alguma coisa dentro de mim voltasse a funcionar . Que estranho !

ELE : - Eu também me sinto estranho, é uma força que eu não conhecia !

*Publicado por Dhuvi-Luvio 7:43 PM






Nome : Dhuvi-Lúvio
Local: Batel-Pr
Email para mim


EM CURITIBA

Links
Antigos

Powered by Blogger
Site Meter