<body>

Deixa com o Beque !!

sexta-feira, outubro 01, 2004



HOT LINKS DA SEX-TA FEIRA

- A bela resolve esquentar as ruas de praga (fotos alta resolução)
- Parece mas não é, Celebridades Fakes
- Imagens, fotos e filmes em DreamWorld
- Daniela Ciccarelli nas coleções Spezzato
- Escolha a revista preferida e a modelo preferida.
- Angela Taylor: as morenas também tem vez...
- Links para páginas Hardcore (sem filtro).
- As duas beldades que batem recorde de pageviews
- Masuimi Max: Newsfilter favorite... A pedidos
- Helena Louro do Big Brother Brasil 1
- Concurso garota da praia. Onde será que foi issso ?
- Lolita com seus ursinhos de pelúcia...
- Sushizinho vindo diretamente do DreamCam...
- Olha que pôr-do-sol mais lindo do mundo.
- As gatinhas estão cada vez mais lindas e gostosas...
- Olha só que coisa mais "totosa" para botar uma grinalda...
- Mais links do tipo Hardcore internacional
- Dupla de lolitas no La Batidora
- Uma é pouca, duas são boas, três mais ainda !!!

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:54 AM


quinta-feira, setembro 30, 2004



Música de trabalho do novo disco do cidade negra "PERTO DE DEUS".
"Selva de Pedra" de Bob Marley, ouça a música e compre o disco original

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:56 PM




Download Full Albuns - Só rock da pesada

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:46 PM




O teatro que olha o mundo
(Barbara Heliodora - O Globo)

A Armazém Companhia de Teatro, que encontrou pouso na Fundição Progresso e vem realizando boa pesquisa, apresenta um novo trabalho. Em ?A caminho de casa?, a autoria do texto aparece apenas como ?dramaturgia? de Maurício Arruda Mendonça e Paulo de Moraes. O advento do ?dramaturgo? no teatro brasileiro é recente, e com sentidos vários. Neste caso específico, sugere que o apresentado não é exatamente uma peça de teatro, mas um trabalho realizado como busca de formas de dramaturgia que pudessem transformar em material para o palco alguns dos temas e acontecimentos que vêm freqüentando diariamente manchetes de jornal, noticiários de TV ou comentários das publicações semanais: violência, ódio, fanatismo, tentando interligar os acontecimentos por meio da questão da fé ou da falta dela, seja no homem, seja em alguma força espiritual superior.

Os três segmentos que compõem o todo ? ?Sobre a impossibilidade de dar um passo?, ?A história do velho sufi e do menino judeu? e ?Crianças brincando em campo sagrado? ? dão nítida impressão de terem sido longamente discutidos, na ânsia do encontro do meio mais expressivo para fazer chegar ao espectador o significado maior de uma situação específica e deixar claro que, mesmo que distante, e sem ligação direta com ela, nós somos todos afetados.

O exemplo mais claro e menos complexo está no primeiro segmento, com o congestionamento no trânsito de proporções assustadoras que resulta do ato terrorista que explode um ônibus. Fica estabelecida a variedade dos afetados e suas reações, todas elas egoístas e sem consciência do significado do que os afeta. Já o segundo, que mistura realismo com teatralismo, parece indicar que a solidariedade humana e o amor pela natureza pesam na opção do velho sufi e do menino judeu pela estrada alternativa que os poupa dos efeitos do ato terrorista. O terceiro, o da prece da mãe que perdeu um filho no ônibus, quer voar mais alto mas se perde um pouco na inventividade cênica.

Interpretação colhe os frutos do trabalho em equipe

A encenação é muito interessante, e a cenografia de Paulo de Moraes e Carla Berri, em particular no primeiro segmento, inventiva e inesperada, é excepcional. Os figurinos de João Marcelino são satisfatórios, ótima a luz de Paulo César Medeiros e interessante a trilha sonora de Paulo de Moraes. A direção, deste último, é trabalhada em acordo com os caminhos buscados pela dramaturgia, com mais ou menos realismo, e a equipe correspondendo muito bem ao desejado.

O rendimento interpretativo do conjunto é muito bom, colhendo os frutos do trabalho em equipe e da participação do processo criativo da dramaturgia. Sergio Medeiros, Patrícia Selonk, Simone Mazzer, Ricardo Martins, Simone Vianna, Stella Rabello, Marcelo Guerra, Raquel Karro e Isabel Pacheco formam o grupo dos presos no engarrafamento, uma amostragem da Humanidade de pouca ou nenhuma fé, enquanto Thales Coutinho, como o mendigo andarilho, ilustra um fervoroso descaminho de fé enlouquecida. O mesmo Thales Coutinho e Simone Mazzer são os comoventes protagonistas da salvação pela solidariedade do segundo segmento, que tem inúteis e longas falas em francês, produto de antiga tradição de que eram francesas as mais bem-sucedidas prostitutas, que compõem bem o quadro que contrasta com o universo dos protagonistas.

Patrícia Selonk tem ótimo desempenho como a representante do descaminho da fé fanática a lutar contra a dor materna, porém é aqui que a direção, enveredando pelo mais corporal, serve menos o tema. ?A caminho de casa? é mais um bom trabalho a testemunhar a qualidade do grupo do Armazém.

*Publicado por Dhuvi-Luvio 1:07 PM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 1:00 PM


terça-feira, setembro 28, 2004

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:44 PM




O Mito de Tiradentes

Tiradentes pode ter sido mero bode expiatório no trágico desfecho da Inconfidência Mineira. Mas a decência com a qual se comportou ao longo do lento e tortuoso processo judicial e, acima de tudo, a altivez com que enfrentou a morte, tornaram-lhe, no ato, não apenas a maior figura do movimento mas um dos grandes heróis da história do Brasil. Enquanto a maioria dos conjurados chorava, balbuciava e se maldizia - trocando acusações e blasfêmias frente aos jurados - Tiradentes manteve a dignidade, o senso de camaradagem e uma tranquilidade despojada que, de mera leitura dos autos, sua presença refulge imponente e quase majestosa. Desde o início, ele tentou atrair toda a culpa sobre si, praticamente se apresentando para o martírio ao proclamar responsabilidade exclusiva pela Inconfidência. Ao saber que, além dele, outros conjurados tinham sido condenados à morte, Tiradentes declarou: "Se dez vidas eu tivesse, dez vidas daria para salvá-los". Não houve, por parte dos acusados, qualquer espécie de retribuição. Com toda a confusão de seus depoimentos, nenhum negara a participação de Tiradentes nem seu entusiasmo fanático e às vezes imprudente na Revolução. Para a Coroa, o alferes também despontava como a vítima ideal: primeiro, era alguém com todos os ressentimentos de um típico "revolucionário francês". Depois, não era ninguém: "Quem é ele?", perguntara uma Carta Régia enviada de Lisboa ao desembargador Torres, juiz do processo. "Não é pessoa que tenha figura, nem valimento, nem riqueza". Além do mais, quem levaria a sério um movimento chefiado por um simples Tiradentes? Enforcá-lo, portanto, teria o efeito máximo como advertência e o mínimo como repercussão. Mas os caminhos da história escolheram outras vias e, um século depois seria transformado no grande símbolo da República -
independentemente do papel que tivesse desempenhado na Inconfidência. Por anos a fio, a história da revolta subsistira apenas na memória popular. A partir de 1873, e até 1893, a literatura e a historiografia começaram a transformar Tiradentes numa espécie de Cristo Cívico. Ele renascera antes - no livro Brasil Pitoresco, escrito em 1859 pelo francês Charles Ribeyrolles, na figura de um herói republicano "que se sacrificava por uma idéia". Em 1873, porém, Joaquim Norberto de Souza lançou sua História da Conjuração Mineira. Descobridor dos Autos da Devassa, ele foi o primeiro a consultá-los. Após 13 anos de pesquisa, concluiu que o papel de Tiradentes fora secundário e que, por causa da lavagem cerebral a que lhe submeteram na prisão os frades franciscanos, substituíra o ardor patriótico pelo fervor religioso. "Prenderam um patriota, executaram um frade". Os Republicanos, já tentando alçar Tiradentes ao papel de símbolo do regime que estava para nascer,
protestaram. Negaram ter Tiradentes beijado as mãos e os pés do carrasco; não aceitavam a versão de que ele se dirigira à forca com um cruxifixo, não acreditavam que tivesse dito que, como Cristo, também morreria nu. Mas o fato é que semelhanças entre a paixão de Cristo e o martírio de Tiradentes eram tão evidentes (não faltavam
nem Judas nem Pedros - e, agora, nem a ressurreição) que, depois de estabelecida a República, até mesmo os pintores ligados ou contratados por ela passaram a representar Tiradentes como se fosse Jesus no patíbulo. Com a passagem dos anos, a memória e as imagens de Tiradentes continuariam sendo esquartejadas.




Um Símbolo Brasileiro

Não se sabe como eram as verdadeiras feições de Joaquim José da Silva Xavier. Todos os retratos são fictícios - embora nenhum tenha seguido duas informações vindas de fonte segura. Durante o julgamento dos Inconfidentes, Alvarenga Peixoto descrevera
Tiradentes como "feio e espantado". O depoimento de frei Penaforte indicava também que, ao ser conduzido ao patíbulo, o réu estava "com a barba e a cabeça raspadas". Tais fatos eram adversos ao processo de mitificação de Tiradentes - foram, portanto, solenemente ignorados. Na mais brilhante e definitiva análise da fabricação do
mito de Tiradentes, feita por José Murilo de Carvalho no livro A Formação das Almas - O Imaginário da República no Brasil (no qual se baseiam as idéias discutidas nessa página), são analisadas todas as imagens de Tiradentes e de seu martírio (em especial os quadros Tiradentes Esquartejado, feito em 1893 por Pedro Américo e
reproduzido na página 81, e Martírio de Tiradentes, de Aurélio de Figueiredo, reproduzido acima). Neles, como em quase todos os demais, Tiradentes surge como "o mártir ideal e imaculado na brancura de sua túnica de condenado". Foi assim que ele se tornou aceito como símbolo nacional tanto por Monarquistas e Abolicionistas
como pelos Republicanos. O fenômeno se repetiria nos anos 60 do século XX, quando tanto os militares como grupos revolucionários de esquerda - e até mesmo o dinâmico e rebelde Teatro de Arena - usaram-no como símbolo de liberdade e luta. Após 2 séculos, Tiradentes vive!


Texto retirado do livro História do Brasil, Eduardo Bueno

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:30 PM




"Os nascidos em Libra são seres privilegiados
porque particularmente favorecidos
para viver do amor e da verdade.

Por sobre todas as coisas
são donos da alegria de viver.

O que se leva deste mundo
é o que se conquista lutando o bom combate,
dizem os homens de Libra.

As mulheres não dizem nada.

Fortes de seu silencio,
limitam-se a perturbar o sossego dos homens
com tanta tranqüilidade e beleza.

Pena que se casem demasiadamente cedo
embora sejam em geral as mais felizes.

Este ano Vênus tem as melhores conjunções.

Esplêndidas são as perspectivas
para sapateiros e músicos.

Melhores ainda para os marinheiros.

Secretos deslumbramentos estão reservados
para os que gravam sua dor na madeira
e os que escrevem seus poemas sobre a água.

Previno-te contra o sono
que se alastra ao teu redor.

Tua casa está dormindo,
tua rua está dormindo.

Aprende música em segredo
e desperta a tua praça
com um canto de clarim."


Thiago de Mello, em "Horóscopo para os que estão vivos"

Parabéns Uriuzinha pelos seus 25 anos...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:16 PM



segunda-feira, setembro 27, 2004



-
Xadrez com disputa entre os sexos
- Não tem como parar de jogar esse REVERSE...
- E-book do Nietzsche, "Assim falou Zaratustra" para download.
- Curso completo e totalmente gratuito de TAROT
- O que acontece ao ser picado por abelhas africanas...
- Filme com varredura extremamente alta - Super Slow
- Que porra é essa ? Tem algo errado aí...
- Shannon Elizabeth a garota co filme American Pie
- A foto do primeiro Laptop criado pelo homem
- Veja só essa propaganda de uma churrascaria...
- A moto já não tem carenagem e o cara sem capacete...
- O que importa mesmo é rir de tudo. Sempre !
- McDonalds bom para cachorro, ou quem gosta de...
- Veja aqui uma cirurgia de mudança de sexo...
- O famoso terceiro olho é aonde mesmo ??
- Com muita certeza isso deve ser mesmo dolorido

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:31 PM





- Estava com muita preguiça e acabou casando com a empregada...
- Lázaro, ninguém tem tantos pecados que mereça morrer duas vezes.
- Panoramix me disse que faria uma porçao especial para eu aguentar o tranco.
- Rapaz, tem que trabalhar muito e ralar essa bunda na estrada.
- Chegou a primavera e trouxe um monte de esperanças novinhas em flores,
- UMU, a capital da amizade, cresceu e agora é uma adolescente chata...
- Carolina fala e anda e tem uma responsabilidade imensa: manter uma família unida.
- Os graus cresceram tanto e chegaram aos montes por aqui.
- Esses ares paranaenses fazem mesmo muito bem aos cariocas...
- Ela disse seriamente: - eu desisto de casar se você disser que me ama.
- Eu não figurei na lista que saiu dos mais ricos do mundo. "Portas" continua em 1º.
- Olá!!! Você acaba de receber um cartão virtual de "Meu Amor" no carteiro.com
- Perdoar é se dar conta de que o amor protege mais do que evita.
- Não seja tão simpático, você atrai até gay sendo assim. O quê ??
- O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento.
- Eu fico dias sonhando que você poderia voltar atrás em breve...
- Mamãe diz que uma criança custa muito caro. O que diria a mendiga da esquina ?
- Alguém aí precisa de um rato, ladrão de queijos ??
- Os avós são os pais com muito tempo e paciência de sobra...
- E no final todos choram na despedida !

*Publicado por Dhuvi-Luvio 2:08 PM


*Publicado por Dhuvi-Luvio 2:05 PM




Imagem
deste satélite do cemitério dos bombardeiros B52s

*Publicado por Dhuvi-Luvio 1:17 PM




Como seria a história da Chapeuzinho Vermelho nas
manchetes das principais revistas e jornais:

Revista CLAUDIA
Como chegar na casa da vovozinha sem se deixar enganar pelos lobos no caminho.

Revista NOVA
Dez maneiras de levar um lobo à loucura na cama.

Revista MARIE-CLAIRE
"Na cama com um lobo e minha avó", relato de quem passou por essa experiência.

Revista VEJA
"... fulano de tal, 23, o lenhador que retirou Chapeuzinho da barriga do lobo tem sido considerado um herói na região. 'O lobo estava dormindo, acho que não foi tão perigoso assim', admite."

FANTÁSTICO (Glória Maria)
"... que gracinha, gente, vocês não vão acreditar, mas essa menina linda aqui foi retirada viva da barriga de um lobo, não é mesmo...?."

JORNAL NACIONAL
(Willian Bonner) "Boa noite. Uma menina de 7 anos foi devorada por um lobo na noite de ontem"

(Fátima Bernardes) "Mas graças a atuação de um caçador não houve uma tragédia".

CIDADE ALERTA (Luis Datena)
"...onde é que a gente vai parar, cadê as autoridades? Cadê as autoridades? A menina ia para a casa da vózinha. Não tem transporte público! Não tem transporte público! E foi devorada viva. Um lobo, um lobo safado. Põe na tela, primo! Porque eu falo mesmo, não tenho medo de lobo, não tenho medo de lobo não".

JORNAL DO BRASIL
"Floresta: Garota é atacada por lobo". Na matéria, a gente não fica sabendo onde, nem quando, nem mais detalhes.

O GLOBO
"Retirada Viva da Barriga de um Lobo". Na matéria, terá até mapa da região. O salvamento é mais importante que o ataque.

FOLHA DE S. PAULO
Legenda da foto: "Chapeuzinho, à direita, aperta a mão de seu salvador". Na matéria, teremos um box com um zoólogo explicando os hábitos alimentares dos lobos e um imenso infográfico mostrando como Chapeuzinho foi devorada e depois salva pelo lenhador.

O ESTADO DE S. PAULO
Lobo que devorou Chapeuzinho seria afiliado ao PT.

NOTÍCIAS POPULARES
Sangue e tragédia na casa da vovó.

Revista CAPRICHO
Esse Lobo é um Gato!

Revista PLAYBOY
(Ensaio fotográfico com Chapeuzinho no mês do escândalo). Veja o que só o lobo viu.

Revista SEXY
(Ensaio fotográfico com Chapeuzinho um ano depois do escândalo). "Essa garota matou um lobo!"

Revista CARAS
(Ensaio fotográfico idem). "Na banheira de hidromassagem na cabana da avozinha, em Campos de Jordão, Chapeuzinho reflete sobre os acontecimentos: 'até ser devorada, eu não dava valor para muitas coisas da vida, hoje sou outra pessoa' admite.

Revista IstoÉ
Gravações revelam que lobo foi assessor de influente político.

Revista G Magazine
(ensaio fotográfico com lenhador). "Lenhador mostra o machado".

*Publicado por Dhuvi-Luvio 1:12 PM




Nome : Dhuvi-Lúvio
Local: Batel-Pr
Email para mim


EM CURITIBA

Links
Antigos

Powered by Blogger
Site Meter