<body>

Deixa com o Beque !!

sexta-feira, setembro 23, 2005

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:38 PM




O paraíso e o inferno: versão blog !

*Publicado por Dhuvi-Luvio 4:32 PM



- Tenha consciência nisso: a idéia é "crer para ver";
- Caminhava com a morte surda a seu lado, pronta para o beijo;
- Percebeu que a crueza sangra mais que a metáfora...
- A ponte caiu pois os prevenidos valiam por dois !
- Com vergonha, tirou xerox da bunda e levou ao proctologista;
- Relacionamento: ou ganham os dois ou ambos perdem...
- A mentira era tal que virou mentora !
- Fechar os olhos no escuro total engana qual orgão ?
- Tomou um doze anos para celebrar o cérebro;
- Passa sempre no amarelo pois odeia TPM;
- Houveram vários erros de gramática no verbo haver...
- Mamãe, morrer é terminar de nascer ?
- Sentou em Copa: havia um bronze ao lado do caminho !
- Eu te amo no guardanapo com caneta BIC vale mais...
- Toda sexta-feira todo canto é santo ?
- Até que chegue o dia em que eu entre no gôzo eterno do céu...

*Publicado por Dhuvi-Luvio 3:22 PM




*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:58 AM





Todos os discos do Pink Floyd em links diretos...
(Tenha paciência pois demora mesmo para começar o download)

*Publicado por Dhuvi-Luvio 10:21 AM





Do envergar do Bambu

Na guerra desembestada por provar quem está certo e quem está errado é que percebemos as sutilezas que tornam a nossa natureza fragilmente humana. A natureza humana é estrangeira quando se trata de muitos dos assuntos com os quais lidamos diariamente. Nossa natureza humana vive sendo imbecilizada, privada das suas virtudes na tentativa de servirem à moda do momento.

Sorte nossa essa natureza batizada de humana envergar-se feito bambu e evitar um quebramento total, perdas coletivas irreparáveis, pois o ser humano de cada um de nós é somente um fragmento dessa totalidade que é a humanidade.

Parafraseando... "Assim caminha a humanidade": ao Deus-dará das suas conquistas, questionando se a crueldade despida em determinada cena da sua existência ofendeu toda a cinematografia; e se não há mais salvação para esse filme que intitulamos "vida".

À natureza humana reserva-se a magia de produzir bétulas, jasmins, laranjeiras. Também poços, poças, sofreguidão. A natureza humana detém o dia e a noite fisgados pelos ponteiros do relógio; festeja a frigidez e a fecundidade. É dela a autoria da criação parida ao reverso: do universo ao papel, pincel, som... À arte. A natureza humana reinventa abrandamento e provoca o choro ininterrupto: frio na espinha, bocejos, solidão; corteja a liberdade de preferir dia de sol ao de chuva, despe a guerra para observar sua forma. Às vezes, a natureza humana tira férias e vai dar um passeio lá pelos lados da desumanidade... Sorte ela envergar-se feito bambu. Que coisa mais doce pode ser a boa sorte e na falta dela talvez só nos reste mesmo não crer na sua existência.

Na guerra desembestada por provar quem está certo e quem está errado, apesar de gritar bem alto e defender minhas crenças, debando sem desembainhar minha espada. Minha natureza humana anda refestelada na intimidade do sossego; ela crê intensamente na eficiência de não provocar batalhas que só assanhem a bestialidade que se esconde num canto de mim... De cada um de nós. E sim, carrego um coração partido, mas que há de sarar como os machucados assoprados pela minha mãe durante minha infância e com garantias de cura. Porque há possibilidade de melhora e não quero acreditar que nos acostumamos a doer e nos tornamos indiferentes ao sentir. Melhoras são bem-vindas. E eu posso ser quem está completamente errada e, ainda assim, isso estar certo. Minha natureza humana pode estar onde deve estar: envergando-se, mas sem se quebrar de vez.


(Crônica do Dia - Carla Dias)

*Publicado por Dhuvi-Luvio 9:18 AM


terça-feira, setembro 20, 2005




Nome : Dhuvi-Lúvio
Local: Batel-Pr
Email para mim


EM CURITIBA

Links
Antigos

Powered by Blogger
Site Meter